Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Sensor de Temperatura Digital TMP75 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Sensor de Temperatura Digital TMP75

Sensor de Temperatura Digital TMP75

112 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

Sensor de Temperatura Digital TMP75

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Guilherme Heck, Leonardo Nunes Alegre e Manoel Ferreira de OliveiraProgramação de PeriféricosProfessor Eduardo Augusto BezerraFaculdade de InformáticaPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Sensor de Temperatura Digital TMP75

  2. Características: • 8 endereços; • Saída Digital: Interface Serial; • Resolução: 9- a 12-bits, selecionados pelo usuário; • Precisão: 1,5°C (máx.) de –25°C a 85°C 2,0°C (máx.) de –40°C a 125°C • Baixa corrente quiescente: 50μA, 0,1μA em modo “Standby” • Ampla alimentação: 2,7V a 5,5V

  3. Descrição: O TMP75 é um sensor de temperatura com saída serial, que não requer componentes externos e é capaz de uma ler temperaturas com uma resolução de 0,0625°C. Ele permite a conexão de até oito dispositivos no mesmo barramento e ainda possui um pino de alerta. O TMP75 é ideal para uma extensa medição de temperatura em aplicações ambientais, computacionais, industriais, instrumentais e pessoais. O TMP75 está especificado para uma operação inferior a –40°C e superior a +125°C.

  4. Funcionamento:

  5. “Pointer Register” A figura ao lado mostra a estrutura interna do TMP75. O “pointer register” é um registrador de 8-bits responsável pelo endereçamento de dados dos dispositivos. Esse usa dois LSBs para identificar qual registrador de dados deve responder a um comando de leitura ou escrita. A tabela 1 identifica os bits do “pointer register” e a tabela 2 descreve os endereços para acessar os registradores.

  6. Tabela 1. Byte do “Pointer Register” Tabela 2. Endereços dos Registradores do TMP75

  7. Registrador de Temperatura O Registrador de temperatura é um registrador de 12-bits unicamente de leitura que armazena a mais recente conversão. Dois bytes devem ser lidos para obter dados e são descritos nas tabelas 3 e 4. Os 12 primeiros bits são usados para indicar temperatura, com os 4 bits restantes iguais a zero. Tabela 3. Byte 1 do Registrador de Temperatura Tabela 4. Byte 2 do Registrador de Temperatura

  8. Logo após o sensor ser conectado à alimentação, o sensor de temperatura irá ler 0°C até a primeira conversão ser completada. O formato de dados das temperaturas são resumidas na tabela 5. Tabela 5. Formato de Dados das Temperaturas

  9. Registrador de Configuração O registrador de configuração é um registrador de 8-bits de leitura/escrita, usado para armazenar bits que controlam os modos operacionais do sensor de temperatura. Operações de leitura/escrita são realizadas por MSB. O formato do registrador de configuração é mostrado na tabela 6. O valor do registrador quando recém ligado à alimentação ou resetado possui todos os bits iguais a zero. Tabela 6. Formato do Registrador de Configuração

  10. “Shutdown Mode” (SD) Este bit permite ao usuário economizar o máximo de energia, desligando todos os circuitos além da interface serial, o que reduz o consumo de corrente para aproximadamente menos que 0,1μA. O “Shutdown Mode” está habilitado quando o bit SD está setado em 1, sendo que o dispositivo irá desligar assim que a conversão for completada, e desabilitando quando setado em 0, com o dispositivo mantendo um estado contínuo de conversão. “Thermostat Mode” (TM) Este bit indica ao dispositivo se este deve funcionar no modo de comparação (TM = 0) ou no modo de interrupção (TM = 1).

  11. Modo de Comparação (TM = 0) Quando neste modo, o pino de alerta fica ativo quando a temperatura iguala ou excede o valor contido no registrador de temperatura máxima e gera faltas de acordo com os bits de falta F1 e F0. O pino de alerta permanece ativo até que a temperatura caia abaixo da máxima e do número de faltas. Modo de Interrupção (TM = 1) Neste modo, o pino de alerta fica ativo quando a temperatura iguala ou excede o valor máximo para um número consecutivo de condições de falta. O pino de alerta permanece ativo até que a leitura de alguma operação em qualquer registrador ocorra ou que o dispositivo responda com sucesso ao endereço de resposta de alerta (“SMBus Alert Response Address”). O pino de alerta também será desativado se o dispositivo estiver em “Shutdown Mode”. Logo após, somente ficará ativo quando a temperatura for inferior à mínima, sedo isso análogo ao caso da temperatura máxima. Logo após o ciclo recomeçará.

  12. Polaridade (POL) O Bit de polaridade do TMP75 permite ao usuário o ajuste de polaridade do pino de alerta. • POL = 0  pino de alerta em ativo baixo; • POL = 1  pino de alerta em ativo alto. Fila de Faltas (F1/F0) Uma condição de falta é definida quando a temperatura excede quaisquer dos limites definidos pelo usuário nos registradores próprios. Estes valores vão para uma pilha para serem usados pelo pino de alerta. O contador é inicializado e resetado em 0. A tabela 7 demonstra o número de faltas que podem ser programadas para ativar o pino de alerta. Tabela 7. Configuração de Faltas

  13. Resolução de Conversão (R1/R0) Esses bits controlam a resolução do conversor Analógico-Digital (A/D) interno. Isso permite ao usuário maximizar a eficiência ao optar por uma maior resolução ou mais rápida conversão. A tabela 8 mostra os bits de resolução, assim como a relação entre resolução e tempo de conversão. Tabela 8. Resolução do TMP75

  14. “One-Shot” (OS) Quando o dispositivo está em “Shutdown Mode”, escrever ‘1’ no bit de OS irá desencadear em uma única conversão de temperatura. O dispositivo irá retornar ao estado de desligamento (“shutdown”) ao completar a conversão. Esta característica do TMP75 torna-se útil para reduzir o consumo de energia, quando uma monitoração contínua da temperatura não é necessária.. Quando o registrador de configuração está no modo de leitura, o OS será sempre zero.

  15. Registradores de Temperaturas Máxima e Mínima O formato dos dados nos registradores é o mesmo usado para o registrador de temperatura. Isso está explicitado nas tabelas 9 e 10. Tabela 9. Bytes 1 e 2 para o Registrador de Temperatura Máxima Tabela 10. Bytes 1 e 2 para o Registrador de Temperatura Mínima Os 12-bits são usados para os registradores de temperatura, máxima e mínima, e são todos usados nas comparações da função de alerta, mesmo quando a saída está configurada com a resolução de 9-bits.

  16. Interface Serial O TMP75 opera somente como um dispositivo “slave” usando barramentos de fio duplo e SMBus. AS conexões com o barramento são feitas através de linhas de I/O com SDA e SCL. Os pinos de SDA e SCL caracterizam-se por filtros e Schmitt triggers para minimizar ruídos e outros efeitos elétricos. O TMP75 suporta um protocolo de transmissão em modo rápido (1kHz a 400kHz) ou muito rápido (1kHz a 3,4MHz). Todos os bytes de dados são transmitidos inicialmente por MSB.

  17. Barramento de Endereçamento Serial Para uma comunicação com o TMP75, o dispositivo “master” deve primeiro endereçar dispositivos “slave” via um byte de endereçamento próprio. Este byte de endereçamento consiste em sete bits de endereços e um bit de direção indicando leitura ou escrita. O TMP75 possui três pinos de endereço (A0, A1 e A2) capazes de endereçar até 8 dispositivos. A tabela 11 descreve os endereços para conectar tais dispositivos. Nela, ‘1’ indica que o pino está conectado à alimentação (VCC) e ‘0’ indica conexão ao terra (GND).

  18. Tabela 11. Pinos de endereço e Endereços “slave” para o TMP75

  19. Implementação TMP75SETAD(A): Inicializa o ponteiro de endereços da EEPROM. • A=00H -> Temperatura atual. • A=01H -> Registrador de configuração. • A=02H -> Registrador temperatura mínima. • A=03H -> Registrador temperatura máxima. TMP75WR(A,B): Escreve no endereço corrente o valor armazenado em A no primeiro byte e B no segundo. TMP75ERROR: Rotina genérica de tratamento de erro. TMP75RD: Lê dois bytes no endereço corrente da EEPROM.