Download
toxina botul nica no ter o inferior da face n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Toxina Botulínica no terço inferior da face PowerPoint Presentation
Download Presentation
Toxina Botulínica no terço inferior da face

Toxina Botulínica no terço inferior da face

411 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

Toxina Botulínica no terço inferior da face

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Toxina Botulínica no terço inferior da face D1 Dermatologia Brunno Zeni de Lima

  2. Introdução • Sorriso gengival • Risório e rugas das bochechas • Lábios • Mento • Depressor do ângulo da boca • Masseter e contorno mandibular

  3. Sorriso gengival • Sorriso normal é considerado normal quando visualizamos até três quartos da altura do dente incisivo e no máximo 1 a 2 mm da mucosa gengival

  4. Sorriso gengival

  5. Sorriso gengival – técnicas • A aplicação do medicamento no músculo elevador do lábio superior e da asa nasal faz-se com a agulha direcionada na posição medial craniana à linha imaginária que traçamos a partir da margem lateral da asa nasal • Injeta-se de 2-4 U, com palpação bidigital • Pode-se fazer através da mucosa jugal

  6. Sorriso gengival • Abaixamento da ponta nasal, formando ruga transversal na região do lábio superior ao sorrir: • Participação do depressor do septo nasal • Aplicar de 3-5 U (mesmo tto para levantar a ponta nasal, mas de 3-8 U)

  7. Sorriso gengival • Participação do músculo elevador do lábio superior: • 2-4 U próximas ao orifício nasal bilateral • Tb minimizam as rugas dos lábios superiores • Desvantagem = alongamento caudal do lábio, e pctes com lábios finos podem piorar a apresentação

  8. Sorriso gengival - complicações • Assimetria • Dificuldade de: fazer ´bico´, assoprar, tocar instrumento musical, articular p/b/i, sorriso pleno (não há como corrigir) • Aplicação inadvertida ou quantidade exagerada pode levar a incontinência alimentar

  9. Risório e rugas das bochechas • Bochecha – risório, zigomáticos, elevador da asa nasal e dos lábios, SMAS

  10. Risório e rugas das bochechas - técnicas • Ruga lateral ao sulco nasolabial • Localiza-se exatamente sobre a inserção do risório • Aplicar 1-2 U no plano intradérmico, menor dose possível

  11. Risório e rugas das bochechas - técnicas • Rugas da bochecha (entre região zigomática e modíolo) • Apenas consegue amenizá-las • 1-3 U por ponto (inicialmente 1U, ideal 2U)

  12. Risório e rugas das bochechas - complicações • Assimetria • Equimose • Modificação do sorriso, não conseguindo dar o sorriso pleno

  13. Lábios • Considerada a parte mais fácil da região inferior da face • Rugas periorais moderadas e profundas, ideal técnicas combinadas • TB 2 semanas antes de peeling profundo, dermabrasão, subcisão, laser, preenchedores

  14. Lábios - técnicas • Tto da ruga transversal do lábio superior – mesma técnica descrita para o músculo do septo nasal • Rugas próximas ao lábio superior • 1-2 mm acima do limite do vermelhão do lábio • 2-4 pontos para todo lábio superior (máximo 4U/ponto, ideal quantidades menores), superficial • *aumenta o volume do lábio superior pelo relaxamento da musculatura perioral

  15. Lábios - técnicas • Lábio inferior: • Seu tto concomitante traz resultado cosmético melhor • Máximo 4 U em 2 pontos, superficiais • Rugas do lábio até a narina • Pontos próximos a narina na mesma projeção dos pontos para os elevadores do lábio superior, porém superficialmente • Máximo 6 U, em 2-4 pontos equidistantes

  16. Lábios - complicações • Relaxamento exagerado da musculatura (por isso, inicialmente menor dose possível) • Dificuldades na articulação de palavras e sucção • Assimetria (pp se aplicar nos m. elevadores e depressores dos lábios) • equimoses

  17. Mento • Indicado para amenizar a formação de pequenas depressões na região do mento, assim como amenizar a ruga transversal abaixo do lábio inferior • Remodelar o contorno facial = associar técnicas • Masseter, platisma, depressor do ângulo da boca

  18. Mento - técnica • 3-5 U, um ponto de cada lado da linha média, mantendo uma distância cerca de 1 cm entre eles • Injeta-se profundamente na margem da mandíbula direcionado para baixo e para trás • Pode-se entrar com a agulha por baixo da mandíbula com a agulha para cima, rente ao osso

  19. Mento - complicações • Assimetria, sendo a mais temida decorrente da injeção da TB em um músculo adjacente (pp o m. depressor do lábio inferior)

  20. Depressor do ângulo da boca • Sinal da marionete • Ângulo da boca direcionado para baixo • Idade, rugas profundas • Ruga do ângulo da boca a margem da mandíbula, piorada com a contração do m. depressor do ângulo da boca • Este músculo se insere na mandíbula (melhor local para aplicação da TB)

  21. Depressor do ângulo da boca - técnicas • Localizar a margem anterior do m. masseter sobre a margem da mandíbula (morder os dentes) • Ponto de aplicação de 0,5-1 cm anterior a esse limite • Confirmar pedindo para o paciente fazer um í prolongado • Aplicar TB profundamente, pelo menos 3 U/ponto

  22. Depressor do ângulo da boca - complicações • Dor transitória • Assimetria transitória (até 48h) – um lado começou a atuar antes do outro • Não melhora? • Dose suficiente? • Participação do m. platisma? • Tratar com 2-4 U na região próxima a inserção do DAB, porém, abaixo da mandíbula

  23. Masseter e contorno mandibular • M. envolvidos: masseter, mentual, DAB, platisma • Indicação tto do masseter: • Contratura ou hipertrofia, fazendo um contorno mandibular (junto com queixo angulado) de aspecto masculino e agressivo do rosto (queixa frequente em mulheres de origem oriental) • Localiza-se o músculo facilmente pedindo para paciente morder os dentes forte e repetidamente • Cuidar com ducto parotídeo (ver fig) e glândula parotídea (pré-auricular)

  24. Masseter - técnica • 5U/ponto, pelo menos 35 U de cada lado, máximo de 50 U por lado, utilizando o menor número de pontos • Fazer as aplicações abaixo da linha de referência do ducto parotídeo • Aplica-se profundamente no corpo do músculo • Primeiros sinais após 8 semanas • Algumas vezes a hipertrofia melhora somente a partir do 2º tto

  25. Masseter - complicações • Punção traumática do ducto parotídeo (leva a drenagem e fístula salivar na pele) • Aplicação diretamente na glândula pode levar ao bloqueio da secreção • Dificuldade na fala, mastigação e sorriso