Download
programa sa da da fam lia no cear o processo de implanta o e os atores n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Programa Saúda da Família no Ceará- O processo de implantação e os atores. PowerPoint Presentation
Download Presentation
Programa Saúda da Família no Ceará- O processo de implantação e os atores.

Programa Saúda da Família no Ceará- O processo de implantação e os atores.

96 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

Programa Saúda da Família no Ceará- O processo de implantação e os atores.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Programa Saúda da Família no Ceará- O processo de implantação e os atores. Imaculada Fonseca 2011

  2. I-A HISTÓRIA NO TEMPO - os atores envolvidos- • 1987-Implantação do PACS no Ceará. • (Dr Carlile , Míria, e o grupo sob coordenação de Ines Amaral, Vilane, Laura,Graça , Mary, Sonia. • 1991-Implantação do PACS no Brasil.(Fátima Souza e Heloisa Machado ).

  3. A HISTÓRIA NO TEMPO - os atores envolvidos- • Final de agosto de 1993-Dr Halim Girade ( UNICEF )assessor de Henrique Santillo é incumbido de formular uma proposta de APS a partir de experiências brasileiras • Setembro de 1993- Dr Odorico leva proposta de Quixadá de Residencia em Saúde da Família para ser financiada pelo MS. • Novembro de 1993-Reunião do MS com 18 Técnicos para formular uma proposta de APS para o Brasil,sendo o nome Saúde da Família sugerido por Dr Odorico.

  4. A HISTÓRIA NO TEMPO - os atores envolvidos- • 1994- O MS lança oficialmente o PSF, após a SAS/MS (DR Gilsom Carvalho) viabilizar financiamento. No MS inicialmente é abrigado na FUNASA (DR.Àlvaro Machado) e posteriormente na Coordenação de saúde e Comunidade/SAS (Heloísa Machado e Fátima Souza onde já estava o PACS).

  5. II-A Gestão no Ceará • 18/5/92 a dezembro de 1994-Na gestão de Dra Ana Maria ,inicia-se um grande processo de mobilização para o novo modelo. È composto um grupo de Técnicos para elaborar um documento de diretrizes e começa a implantação das equipes de Quixadá Dr Odorico- Presidente do COSSEMS e logo após Beberibe- Dr Marcos Queiroz-vice presidente do COSSEMS . • Em seguida no mesmo ano os municípios de jucás,Itapiúna,Iracema,Fortim,Iguatu .

  6. DIRETRIZES OPERACIONAIS • No início • Equipe – médico, enfermeiro e de 8 a 10 ACS. • Dedicação exclusiva. • Reuniões semanais com todas as equipes. • Equipe morar na área de atuação

  7. No CearáLançamento do PSF em Beberibe em 1994

  8. No Ceará • De 01//1/ 1995- Gestão de Dr Anastácio Queiroz • Na SESA /DIRSA ( Dra Jocileide ) • o grupo inicial do PSF ( Lucineide,Eva, Alberto, Ercelina,Lene, Imaculada - coordenação) é abrigado no DETEC coordenado por Ines Amaral. • Sendo posteriormente repassada para Imaculada,período queocorre a fusão do PACS e PSF ( 1995 a 2002 )

  9. No Ceará • 2003-2006-Gestão de Dr jurandir a coordenação do PSF com Dra Vilauva (2003) e Carmen Osterno (Final de 2003 até • 2006.. • 2007-2010- Gestão Dr Ananias, coordenação com Imaculada Fonseca. • 2011-2014- Gestao Dr Arruda-Dra Virginia Justa.

  10. FACILIDADES • Experiências exitosas do Ceará começam a ter repercussão para outros municípios e outros estados. ( Reunião dos Governadores do Nordeste). • Processo de cooperação técnica da SESA/ESP aos municípios para implantação do novo modelo. • Decisão governamental de apoiar o programa. • Cooperação Técnica Internacional ( DFID ) , e consultorias (Espanha, UK, Cuba) e nacionais ( Eugenio Vilaça.)

  11. FACILIDADES • Recursos liberados do Ministério . • - Assessoria da SESA na elaboração dos projetos para os convênios , oficinas de sensibilização dosprefeitos e secretários. • Parceria do COSSEMS. • Protagonismo dos municípios. • Autonomia Técnico-gerencial. • Curso de especialização da ESP- ( SILOS ) e posteriormente Saúde da Família. • Boa articulação entre SESA e MS • Seminários de APS para troca de experiências

  12. Parceria com o MSReuniões de avaliação dos Resultados

  13. DIFICULDADES • -Adesão dos prefeitos a proposta. • Equipe estadual e local mínima para conduzir implantação. • Precárias estruturas das unidades de saude (física e de equipamentos ) • Fixação de profissionais. • Perfil dos profissionais • Ineditismo da experincia • Inexistencia d financiamento e politica específica para APS

  14. MELHORIA DOS INDICADORES DE SAÚDE X AMPLIAÇÃO DO NÚMERO DE EQUIPES • RESULTADOS

  15. DESAFIOS • A APS coordenadora da rede de atenção com os atributos garantidos. • Política de recursos humanos para EPS (formação de generalistas e programa de EPS para osprofissionais da APS, Plano de cargos e carreiras) • Estruturação das UBSFs e melhoria do processo de trabalho. • Monitoramento, avaliação e um programa de qualidade .

  16. Obrigada ! • Imaculada.fonseca@saude.ce.gov.br