Download
vigil ncia epidemiol gica n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PowerPoint Presentation
Download Presentation
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1 Views Download Presentation
Download Presentation

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

  2. Sistema de Vigilância EpidemiológicaHistórico • 1975- 5ª Conferência Nacional de Saúde recomenda a criação do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica • Lei 6.259, de 30 de outubro de 1975, dispõe sobre as ações de Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças. • Decreto 78.231, de 12 de agosto de 1976, regulamenta a Lei • Lei 8080, de 19 de Setembro de 1990 que instituiu o SUS e desdobramentos importantes na VE

  3. Propósito/Objetivo • Fornecer orientação técnica permanente aos responsáveis pela decisão e execução de ações de controle de doenças e /ou agravos • Prevenir, controlar eliminar ou erradicar doenças e evitar óbitos e sequelas • Tornar disponíveis informações atualizadas sobre doenças e/ou agravos e seus fatores condicionantes • Informação para ação

  4. Funções da Vigilância Epidemiológica • Coleta de dados • Processamento dos dados coletados • Análise e interpretação dos dados processados • Recomendação de medidas de controle apropriadas • Promoção das ações de controle indicadas • Avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas • Divulgação de informações pertinentes

  5. Notificação compulsória • A obrigatoriedade da notificação foi instituída pela Lei 6.259 ( Artigo 44, Decreto 78.231, de 12/08/76) – “é dever de todo cidadão comunicar à autoridade sanitária local, os casos confirmados ou presumíveis, sendo obrigatório aos profissionais de saúde no exercício de sua profissão, bem como aos responsáveis por organizações e estabelecimentos públicos e privados de saúde e de ensino”. • Notificar a suspeita • Sigilosa • Notificação negativa • Busca ativa

  6. Doenças de Notificação Compulsória # Leptospirose # Malária # Meningite # Oftalmia Gonocócica Neonatal # Paralisia Flácida Aguda # Peste* # Poliomielite* # Raiva Humana* # Rubéola # Sarampo* # Sífilis Adquirida (exceto úlcera genital) # Sífilis Congênita # Sífilis em Gestante # Síndrome Febril Íctero-hemorrágica Aguda* # Síndrome Respiratória Aguda Grave* # Síndrome da Rubéola Congênita # Síndrome da Úlcera Genital Feminina # Síndrome da Úlcera Genital Masculina # Síndrome da Cervicite # Síndrome do Corrimento Uretral # Tétano Acidental # Tétano Neonatal* # Toxoplasmose Congênita # Toxoplasmose Aguda em Gestante # Tuberculose # Tularemia* # Varicela # Varíola* # Outras. Especificar:_________________________ # Acidentes por Animais Peçonhentos # AIDS # Botulismo* # Carbúnculo ou Antraz* # Cólera # Condiloma Acuminado # Coqueluche # Crianças expostas ao risco de transmissão vertical do HIV # Dengue # Difteria # Doença de Chagas (casos agudos) # Doença de Creutzfeldt-Jacob # Doença Meningocócica* # Esquistossomose # Eventos Adversos Pós-Vacinais # Febre Amarela* # Febre do Nilo Ocidental* # Febre Maculosa # Febre Tifóide # Hanseníase # Hantavirose* # Hepatite Viral # Infecção pelo HIV em Gestante # Infecção pelo HIV (exceto AIDS) # Infecção pelo HPV (exceto verruga # Influenza Humana por novo subtipo* # Leishmaniose Tegumentar Americana # Leishmaniose Visceral * Doenças de notificação imediata

  7. PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO

  8. Objetivo do PNI Criado em 1973, tem como objetivos eliminar, controlar e/ou erradicar doenças como a poliomielite, o sarampo, a difteria, o tétano, a coqueluche, a febre amarela, a hepatite B, a rubéola congênita e as formas graves da tuberculose, mediante a imunização sistemática da população.

  9. PNI • Vacinas: • Poliomielite • Sarampo • Varíola • BCG (oral e intradérmico) • DTP (Difteria, tétano e coqueluche) • TT (toxóide tetânico) • Heapatite • Tríplice viral

  10. Vacina dT • Composição: toxóides tetânico e diftérico • Protege contra a difteria e o tétano • Idade de aplicação: a partir de 7 anos • Via de administração: IM profunda • Esquema vacinal: 3 doses com intervalo ideal de 60 dias entre as mesmas; e reforço a cada 10 anos por toda a vida. • Eventos adversos: dor, calor, vermelhidão, enduração local e febre. • Contra-indicação: reação anafilática à dose anterior e Síndrome de Guillain-Barré. • Uso exclusivo de imunização passiva (imunoglobulina), em caso de contra-indicação absoluta a alguma preparação contendo toxóide tetânico.

  11. Vacina contra Hepatite B • Protege contra Hepatite B • Composição: antígeno de superfície do vírus • Idade de aplicação: ao nascer • Via de administração: IM • Esquema vacinal: 3 doses,no dia 0, 30 e 180 (0,1 e 6 meses) • Eventos adversos: locais, de pouca intensidade e sistêmicos • Contra-indicações: reação anafilática à dose anterior, ou a algum componente da vacina.

  12. Vacina Tríplice Viral • Protege contra sarampo, rubéola e caxumba • Composição: vírus vivos atenuados • Idade de aplicação: a partir de 12 meses • Via de administração: SC • Esquema vacinal: dose única, com reforço entre 4 e 6 anos. Atenção especial às mulheres em idade fértil (SRC) • Contra-indicações: reação anafilática após ingestão de ovo de galinha, gravidez, uso de hemoderivados nos 3 últimos meses • Precauções no uso em imunodeprimidos

  13. Vacina contra Febre Amarela • Protege contra a Febre Amarela • Composição: vírus vivos atenuados • Idade de aplicação: em áreas endêmicas, a partir de 6 meses; e em áreas não endêmicas, aos 12 meses de idade • Via de administração: SC • Esquema vacinal: dose única, com reforço a cada 10 anos • Contra-indicações: anafilaxia após ingestão de ovo de galinha, e as restrições para formulações com vírus vivos • Eventos adversos: no local, ardência, dor, edema e vermelhidão. Podem surgir febre, mialgia e cefaléia

  14. Vacina BCG • Protege contra as formas graves da tuberculose • Composição: bacilos vivos atenuados do Mycobacterium bovis • Idade de aplicação: ao nascer • Via de administração: ID, na inserção do deltóide direito • Contra-indicações:imunodepressão/AIDS, gravidez e peso de nascimento inferior a 2000g • Esquema vacinal: dose única para a população em geral; e dose de reforço para comunicantes de hanseníase • Eventos adversos: abscessos cutâneos frios ou quentes, linfadenopatia regional não supurada,reação quelóide

  15. Vacina contra Varicela • Composição: vírus vivos atenuados • Idade de aplicação: a partir de 12 meses • Via de administração: SC • Esquema vacinal: geralmente dose única para menores de 13 anos e duas doses com intervalo de 4 a 8 semanas para maiores de 13 anos • Eventos adversos: dor transitória, hiperestesia ou rubor local, exantema variceliforme de pequena intensidade • Contra-indicações: imunocomprometidos, gestação, reação anafilática à dose anterior

  16. Vacina anti-pneumocócica 23 valente • Protege contra infecções causadas por quaisquer dos 23 sorotipos • Composição: polissacarídeos purificados • Idade de aplicação: a partir de 2 anos • Via de administração:IM ou SC • Esquema vacinal: para menores de 60 anos, dose única e reforço após 5 anos (mínimo 3 anos); para maiores de 60, dose única • Eventos adversos: locais (dor e rubor) e sistêmicos( febre e mialgia)

  17. Vacina contra Influenza • Protege contra a influenza (gripe) causada por um dos 3 sorotipos dos quais a vacina é feita • Composição: vírus fracionados, ou subunidades, obtidos em cultura de ovos embrionados • Idade de aplicação: 6 meses • Via de administração: IM ou SC • Esquema vacinal: dose única anual, preferencialmente no outono, nas regiões de clima temperado • Eventos adversos: dor local, febre, mal estar e mialgia • Contra-indicações: reação anafilática à proteína do ovo ou aos componentes da vacina e doenças febris agudas

  18. Vacina contra Raiva Humana • Composição: produzidas em culturas de células diplóides humanas ou células Vero – vírus inativados • Idade de aplicação: qualquer idade • Via de administração: IM • Contra-indicação: não há. Usar anti-histamínicos em história de hipersensibilidade • Esquema vacinal: depende da situação, podendo ser pré-exposição, pós-exposição ou reexposição • Eventos adversos: locais (dor, eritema, edema ou prurido), e sistêmicos (cefaléia, náusea, dor abdominal e vertigem)

  19. Quadro I

  20. Quadro II

  21. Profilaxia do Tétano em caso de ferimentos

  22. Doses Gestante 1ª dose INÍCIO 2ª dose INTERVALO 3ª dose INTERVALO REFORÇO NÃO VACINADA OU INCERTA O mais precocemente possível IDEAL: 2 meses MÍNIMO: 1 mês IDEAL: 2 meses MÍNIMO: 1 mês 10 em 10 anos. Antecipar o reforço se houver gravidez entre 5 e 10 anos após a aplicação da última dose. Vacinada com 3 doses (DTP, TT, DT,dT) ____ ____ _____ Se a última dose foi aplicada há mais de 5 anos (usar de preferência dT) Vacinada com 2 doses (DTP,DT, dT ou TT) _____ ____ O mais precocemente possível Vacinada com 1 dose (DTP, DT, dT ou TT ____ O mais precocemente possível IDEAL: 2 meses MÍNIMO: 1 mês Vacinação da Gestante

  23. Imunoprofilaxia pós-exposição Hepatite B