Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
F rum Pernambucano de Constru o Sustent vel SINDUSCON-PE PowerPoint Presentation
Download Presentation
F rum Pernambucano de Constru o Sustent vel SINDUSCON-PE

F rum Pernambucano de Constru o Sustent vel SINDUSCON-PE

165 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

F rum Pernambucano de Constru o Sustent vel SINDUSCON-PE

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

    1. 5/6/2012 1 Frum Pernambucano de Construo Sustentvel SINDUSCON-PE

    2. 5/6/2012 2 Eficincia Energtica: Recife Cidade Solar Prof. Dr. Heitor Scalambrini Costa Universidade Federal de Pernambuco Ncleo de Apoio a Projetos de Energias Renovveis 07 de maio de 2008 Local: Sinduscon-PE

    3. 5/6/2012 3 Contedo Introduo Energia nas grandes cidades Energia solar no mundo Energia solar no Brasil Iniciativa Recife: Cidade Solar

    4. 5/6/2012 4 Introduo Problemas atuais: - A preservao do meio ambiente, A produo de energia renovvel, O manejo sustentvel das reservas naturais e, A demanda por alimentos saudveis

    5. 5/6/2012 5 Energia nas grandes cidades As cidades so responsveis por 75% da energia consumida no planeta e, nas 40 maiores metrpoles, de 35% a 50% da energia desperdiada por ineficincia das edificaes. (Conferncia Municipal de Produo Mais Limpa SP, 22-08-2007)

    6. 5/6/2012 6 No basta limitar a eficincia aos prdios novos: fundamental uma ao retroativa nos prdios antigos, incentivando mudanas que melhorem a iluminao e ventilao naturais e automatizem sistemas de ar-condicionado e de iluminao. necessrio garantir ao proprietrio dos prdios um retorno financeiro com base no melhor desempenho energtico do edifcio. Portanto para reduzir as emisses urbanas, tambm necessrio a reduo de densidade de construes, a mudana de altitude das edificaes, o aumento de ventilao natural nos prdios, a criao de sombras na cidade com mais rvores e vegetao e o uso de materiais de alto poder de reflexo nas edificaes.

    7. 5/6/2012 7 Ser preciso ainda fazer restries ao trfego de veculos e melhorar a infra-estrutura de recursos hdricos, reduzindo vazamentos e criando sistemas de aviso de risco de enchentes e deslizamentos. Mas, para nos adaptarmos s mudanas, ser fundamental que tenhamos investimentos em estudos sobre as vulnerabilidades. Aumentar a eficincia energtica e reduzir perdas um grande desafio das grandes cidades

    8. 5/6/2012 8 Energia solar no mundo Segundo o relatrio Renewables 2007: Global Status Report (Estado global das energias renovveis em 2007), preparado pela Renewable Energy Network for the 21 th Century - REN21 (Rede de energias renovveis para o sculo 21) em colaborao com WorldWatch Institute: a conexo de painis fotovoltaicos (FV) diretamente na rede eltrica a tecnologia que mais cresce, com um aumento anual de 50% na capacidade instalada acumulada de 2006 e 2007. Significa que ele dobra de tamanho a cada dois anos. O custo da potncia instalada da eletricidade solar caiu 9%, em termos reais, entre 2000 e 2006. Atualmente se estima em 7,7 GW a potncia instalada desta tecnologia. Isto se traduz em 1,5 milhes de casas com painis solares atuando como produtores independentes de energia eltrica. Enquanto, no Brasil, se desqualifica qualquer referncia ao uso da eletricidade de origem solar, no resto do mundo, esse setor esta entre os que mais crescem, os custos caem e as instalaes se expandem.

    9. 5/6/2012 9

    10. 5/6/2012 10 J os coletores para aquecimento solar fornecem atualmente gua quente para cerca de 50 milhes de residncias em todo o mundo, e aquecimento interno para um crescente nmero de casas. A capacidade de gerao de gua quente juntamente com o aquecimento residencial aumentou 19% em 2006, alcanando 105 gigawatts-trmico (GWte).

    11. 5/6/2012 11 Experincia internacional tem baseado a promoo da energia solar em: Subsdios: prmios e linhas especiais de crdito, Medidas de apoio: campanhas pblicas, educao ambiental, Incentivos fiscais, Obrigao legal de instalao ou preparao da instalao.

    12. 5/6/2012 12 Caso de Barcelona-Espanha Julho de 99: aprovao do PL ordenanza solar 99-2000: perodo de moratria Agosto de 2000: entrada em vigor da ordenanza solar

    13. 5/6/2012 13 Energia solar no Brasil Energia eltrica e aquecimento de gua 67% dos lares brasileiros tm chuveiro eltrico (mais de 90% nas regies sul e sudeste) Chuveiros e aquecedores eltricos de acumulao consomem cerca de 8% de toda a eletricidade produzida no pas Chuveiros so responsveis por entre 18% a 25% Aquecimento eltrico de gua representa mais de 30% da conta de energia eltrica da maioria das residncias

    14. 5/6/2012 14 Barreiras aos aquecedores solares Custo inicial de instalao Dificuldades no financiamento Prevalncia de outras tecnologias (chuveiros e aquecedores a gs) Desinteresse do setor eltrico Cdigos de obra municipais pouco amigveis Desconhecimento da tecnologia

    15. 5/6/2012 15 Lei aprovada em So Paulo: Torna obrigatria a instalao de sistema de aquecimento solar de gua com a melhor tecnologia disponvel nos seguintes tipos de construes: Residncias unifamiliares com rea > 150 m2 Usos coletivos ou multifamiliares com demanda mensal mdia > 1700 kWh para aquecimento de gua (consumo mdio dirio de 2000 litros de gua a 45oC Residncias; quartis e prises; servios de sade como hospitais, postos de sade etc; esportivo, clubes, academias, etc; comercial, hotis, motis etc; industrial, se a particular atividade setorial demandar calor de processo ou se demandar instalao; vestirios para funcionrios; qualquer outro uso que preveja instalao de refeitrios, cozinhas ou lavanderias coletivas

    16. 5/6/2012 16 Recife: Cidade Solar Convnio realizado entre a UFPE e a PCR Execuo Universidade Federal de Pernambuco Ncleo de Apoio a Projetos de Energias Renovveis Responsvel tcnico: Prof. Heitor Scalambrini Costa Durao 12 meses Recursos R$ 90.000,00

    17. 5/6/2012 17 Objetivo Promover e divulgar o uso de tecnologias baseadas na utilizao da energia solar, como medida mitigadora para a reduo dos gases causadores do efeito estufa. Propor polticas pblicas direcionadas ao uso da energia solar para atender as necessidades de gua quente e energia eltrica.

    18. 5/6/2012 18

    19. 5/6/2012 19 Aes desenvolvidas Estudo de viabilidade do emprego da energia solar trmica em habitao urbana. Instalao de unidades demonstrativas para divulgao e promoo: aquecimento da gua (habitao unifamiliar), eletricidade solar (infocentro). Realizao de projetos tcnicos para aquecimento de gua (Maternidade Barros Lima, Albergue Teraputico Eullio Cordeiro (DS 4), Escola Municipal Lojistas do Recife-CDL. Realizao de palestras sobre novas fontes de energia.

    20. 5/6/2012 20 Preparao de material didtico (folder, cartilha, CD). Grupo de Trabalho para discutir proposta para legislao municipal (PCR, UFPE, Ademi, Sinduscon, CREA, Clube de Engenharia, Sinaenco, Salviano Engenharia, Ongs: ASPAN, SNE, Naper Solar). Organizao de Seminrio e de Audincia Pblica para discusso de legislao municipal para incentivar e fomentar o uso da energia solar em Recife.

    21. 5/6/2012 21

    22. 5/6/2012 22 Art. 1 - Fica institudo o Programa de Incentivo ao Aquecimento ......., Pargrafo nico .......... durao de cinco anos contados a partir da publicao da Lei xxx. Art. 2 - Fica o Poder Executivo autorizado a conceder incentivos fiscais aos contribuintes do Imposto Territorial e Predial Urbano IPTU, que instalarem sistemas de aquecimento solar de gua em seus imveis, de uso residencial ou no residencial, desde que apresente uma Anotao de Responsabilidade Tcnica (ART) realativa ao projeto e o Termo de Responsabilidade de Instalao (TRI). Art. 3 - Desde que atendidas e comprovadas as condies estabelecidas no artigo 2, os interessados nos incentivos desta lei, devero solicitar Secretaria de Finanas da Prefeitura do Recife a devida reduo no pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano, IPTU, observados os seguintes limites: a)

    23. 5/6/2012 23 - de 15% (quinze por cento) quando os coletores e tanques de armazenamento, que compem o sistema de aquecimento solar, forem fabricados fora do Estado. de 20% (vinte por cento) quando os coletores e tanques de armazenamento, que compem o sistema de aquecimento solar forem fabricados dentro do Estado. Art. 4 - O incentivo fiscal, uma vez concedido, ter vigncia de 5 (cinco) anos consecutivos, com incio no exerccio seguinte ao da data de sua concesso. Art. 5 - A interrupo de funcionamento do sistema de aquecimento solar por perodo superior a 30 (trinta) dias dentro da vigncia do incentivo fiscal, sem justificativa tcnica devidamente comprovada, implicar na sua imediata suspenso.

    24. 5/6/2012 24 Obrigado !!!!! Contato: Prof. Heitor Scalambrini Costa Tel. 2126 8255 E-mail: hscosta@ufpe.br heitorscosta#terra.com.br