Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Elisabeth Wartchow Novembro de 2008 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Elisabeth Wartchow Novembro de 2008

Elisabeth Wartchow Novembro de 2008

89 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

Elisabeth Wartchow Novembro de 2008

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. ENCONTRO NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE O Papel da Atenção Básica no Controle da Dengue Elisabeth Wartchow Novembro de 2008

  2. UM CONTINENTE CHAMADO BRASIL Complexidade do Contexto • Dimensão geográfica (8,5 milhões Km²)‏ • Estrutura econômico-social heterogênea • Grandes diferenças regionais • Distribuição desigual - serviços e profissionais • Convivência de doenças típicas do subdesenvolvimento, com demandas crescentes de doenças crônicas e co-morbidades • Incorporação tecnológica intensa, acrítica e abusiva no setor saúde • Baixos níveis de financiamento do sistema

  3. Neste BRASIL ...desigual que optou por um sistema de saúde universal, integral e de financiamento público: a construção do Sistema Único de Saúde brasileiro O SUS é um desafio cotidiano!

  4. “Um sistema de saúde, por melhor que seja é apenas um dos ingredientes que determina se nossa vida será longa ou curta, saudável ou doente, cheia de realizações ou vazia e sem esperança”. Roy J. Romanow Mas ... este ingrediente faz diferença!

  5. A FORMA DE ORGANIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE SAUDE DETERMINA A SITUAÇÃO DE SAÚDE ... e, também, deverá orientar o processo formativo Sistemas de saúde orientados pelos princípios da APS alcançam: • melhores resultados em saúde • maior satisfação dos usuários • maior eqüidade em saúde • menores custos STARFIELD, 1996

  6. O foco do ensino médico Ecology of Health System, Green, 2001 1000 pessoas 800 pessoas referem algum sintoma 327 consideram buscar atendimento 217 visitam serviço de saúde-113 APS 65 buscam serviço complementar ou medicina alternativa 21 procuram um ambulatório 14 recebem atendimento domiciliar 13 procuram um serviço de emergência médica 08 são hospitalizados 01 é hospitalizado em um hospital universitário N Engl J Med, Vol. 344, No. 26 June 28, 2001

  7. O Papel da Saúde da Família Realizar ações que abrangempromoçãoeproteção da saúde, prevençãode agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitaçãoemanutençãoda saúde, desenvolvida noâmbitoindividualecoletivo,por meio de práticas gerenciais e sanitárias democráticaseparticipativas. Ser baseada narealidade localcom responsabilização pela saúde da população.. No SUS, se constitui como porta de entrada da atenção, organizada em todos os municípios do país.

  8. Brasil é exemplo na atenção básica à saúde, diz OMS Relatório anual recomenda adoção de cuidados básicos para lidar com desigualdade.

  9. Por que Atenção Primária é uma tendência mundial? Sistemas de saúde orientados pelos princípios da APS alcançam: • melhores resultados em saúde • maior satisfação dos usuários • maior eqüidade em saúde • menores custos

  10. Objetivos da APS Proporcionar equilíbrio entre as duas principais metas de um Sistema Nacional de Saúde: • Melhorar a saúde da população • Proporcionar eqüidade na distribuição de recursos Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia, 2002

  11. Características da APS ACESSO AtributosEssenciais CONTINUIDADE COORDENAÇÃO INTEGRALIDADE

  12. Características da APS AtributosDerivados ORIENTAÇÃOFAMILIAR ORIENTAÇÃOCOMUNITÁRIA COMPETÊNCIACULTURAL

  13. Situação de Implantação de ESF, ACS e ESB – Brasil, Setembro/2008 Nº ESF – 29.149 Nº MUNICÍPIOS - 5.233 Nº ACS – 228.412 Nº MUNICÍPIOS - 5.350 Nº ESB – 17.588 Nº MUNICÍPIOS – 4.567 ESF/ACS/SB ESF/ACS ACS SEM ESF, ACS E ESB

  14. Meta e Evolução do Número de Equipes de Saúde da Família ImplantadasBRASIL - 1994 – SETEMBRO/2008

  15. Ações conjuntas da Atenção Básica e Vigilância em Saúde na Dengue Ações conjuntas dos ACS e AVS

  16. Porque Integrar? Atenção à Saúde Necessidade do cuidado Assistência Vigilância

  17. Responsabilidade da Vigilância Sanitária da APS Conhecer o território permite compreender as questões sociais, políticas, culturais, físicas e sanitárias. O reconhecimento da realidade local ações de promoção em saúde, de forma pró-ativa diante dos problemas e potencialidades da comunidade. Equipe 1 Equipe 4 Equipe 2 Equipe 3

  18. Atenção Básica no controle da Dengue • Educação em saúde; • Apoio à mobilização social - sustentabilidade às ações de prevenção e de controle da dengue; • Captação precoce dos casos/acesso facilitado

  19. Atenção Básica no controle da Dengue • Acolhimento; • Avaliação para classificação do risco; • Tratamento dos pacientes Grupos A e B;

  20. Dengue = Hidratação

  21. Atenção Básica no controle da Dengue • Grupo B • Prova do laço +; • Sem sinais de alerta • Conduta: • Hematócrito normal = Grupo A • Hematócrito alterado = • Encaminhamento de acordo com plaquetopenia hemoconcentração . Grupo A • Ausência de sinais de gravidade • Conduta: Hidratação oral, sintomáticos e orientações sobre sinais de alerta

  22. Preferências do Paciente Disponibilidade Valores Recursos Gravidade do Problema Alternativas Disponíveis Risco Basal do Paciente Nível de Evidência Magnitude Benefício/Dano Decisão do Cuidado DENGUE

  23. Atribuições da Atenção Básica no controle da Dengue • Registro: prontuário, cartão do paciente;

  24. Atribuições da Atenção Básica no controle da Dengue • Notificação - Ficha do SINAN; - Planilha paralela (diária)

  25. Atenção Básica no controle da Dengue • Coordenação do cuidado: - encaminhamento dos pacientes dos Grupos C e D após abordagem inicial - Co-responsabilidade no tratamento dos pacientes referenciados e acolhimento da contra-referência

  26. CTAs Centro Comunitário Redes Sociais CEOS Equipes de Saúde da Família CEREST Serviços Diagnóstico ACS Escolas CIEVS URRs SAMU Núcleos Vigilância NASF’s Hospitais UPAs

  27. Integração SVS e DAB Algumas ações desenvolvidas Ações desenvolvidas SVS e DAB • Oficinas para Elaboração dos Planos de contingência da Dengue - em GO, RJ, RN, BA, AL, MG, ES, SP, SE, CE, PA, RO. Um dos resultados da ação do grupo Executivo da Dengue no PA: Capacitação para profissionais da Atenção Básica

  28. Integração SVS e DAB Algumas ações desenvolvidas • Oficinas internas DAB e Coordenações dos agravos da VS; • GT Território. Oficina trouxe o exemplo de Belo Horizonte: Setores censitários com compatibilização entre Imóveis acompanhados por Ag.Sanitários e Famílias acompanhadas por ACS

  29. Avanços • PNAB: Portaria 648 - ações de atenção integral incluindo Vigilância em Saúde • Portaria 44 de 2002 – estabelece as atribuições do ACS na prevenção e controle da Malária e Dengue • Participação do Departamento de Atenção Básica no Grupo Executivo da Dengue - Portaria nº 767. de 24 de abril de 2008. • Programa Nacional de Controle da Dengue – AB como componente: - orienta que em cada município haja a unificação das áreas geográficas de trabalho dos ACS e Agentes de Controle de Endemias (ACE) - promoção de mudanças de hábitos da comunidade; - notificação precoce, diagnóstico oportuno e tratamento adequado. - capacitação das ESF • CAB nº 21, de 2007. Produção conjunta DAB e SVS • Núcleos de Monitoramento da AB – componente do PROESF • Monitoramento Integrado da VS e AB

  30. Superar novos e antigos Desafios • AB: responsabilidade do gestor local; • Necessidade de estrutura física e insumos; • Capacitação/apoio matricial aos profissionais; • Co-responsabilização dos diferentes serviços pelo processo e resultados (contra-referência); • Dificuldades na atenção à dengue: • a) sinais e sintomas inespecíficos/diagnóstico diferencial • b) banalização por parte da população (?) • c) perfil da doença – crianças/idosos/gestantes

  31. Superar novos e antigos Desafios Valorização social da APS como primeiro contato Definição da coordenação do cuidado na rede a partir da APS/SF (sistema de informações,”compra” dos demais níveis)‏ Financiamento adequado (ex: diagnóstico laboratorial e medicamentos disponibilizados na APS)‏

  32. Superar novos e antigos Desafios • Valorização social da APS como primeiro contato • Definição da coordenação do cuidado na rede a partir da APS/SF (sistema de informações,”compra” dos demais níveis) • Financiamento adequado (ex: diagnóstico laboratorial e medicamentos disponibilizados na APS)

  33. Superar novos e antigos Desafios • Formação e educação : transversalidade das ações de VS nos conteúdos da APS (UNASUS,Telessaúde,Introdutórios) • Produção de Materiais com ABORDAGEM SINDRÔMICA • Desafio da NOTIFICAÇÃO (EX:LEPTOSPIROSE)

  34. Superar novos e antigos Desafios Formação e educação : transversalidade das ações de VS nos conteúdos da APS (UNASUS,Telessaúde,Introdutórios) Produção de Materiais com ABORDAGEM SINDRÔMICA Desafio da NOTIFICAÇÃO

  35. EXPOEPI / 2008

  36. “Enquanto permanecemos hipnotizados pela miragem do insolúvel, deixamos de resolver aquilo cuja solução depende da nossa vontade e iniciativa” Jurandir Freire Costa

  37. OBRIGADA! DAB/SAS/Ministério da Saúde www.saude.gov.br/dab