Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O QUE CI NCIA UMA ABORDAGEM PARA CURSOS TECNOL GICOS PowerPoint Presentation
Download Presentation
O QUE CI NCIA UMA ABORDAGEM PARA CURSOS TECNOL GICOS

O QUE CI NCIA UMA ABORDAGEM PARA CURSOS TECNOL GICOS

301 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

O QUE CI NCIA UMA ABORDAGEM PARA CURSOS TECNOL GICOS

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

    1. O QUE CINCIA? UMA ABORDAGEM PARA CURSOS TECNOLGICOS Renato Lucas Pacheco, Dr. Eng. EEL/CTC/ Universidade Federal de Santa Catarina pacheco@eel.ufsc.br Lcia Helena Martins-Pacheco, Dr. Eng. INE/CTC/Universidade Federal de Santa Catarina lucia@inf.ufsc.br

    2. Seqncia de Apresentao Introduo Cincia, conhecimento e verdade Filosofia da cincia e o mtodo cientfico Revolues cientficas Cincia reguladora Cincia, educao e cultura Discusso Referncias

    3. Introduo Afirmaes cientficas ? tomadas como verdades ? legitimam prticas sociais; Cincia ? possui abrangncia, limitaes e sentido histrico; Mtodo cientfico; Filosofia da cincia; Mudanas de paradigma ? avano do pensamento cientfico; Cincia ??cultura.

    4. Cincia, conhecimento e verdade O conhecimento popular (senso comum): superficial ? se atm mais s aparncias; sensitivo ? se baseia nas vivncias e emoes do cotidiano; subjetivo ? se baseia nas experincias pessoais; assistemtico ? no objetiva a organizao e validao de idias; acrtico ? a veracidade de sua manifestao nem sempre julgada de forma ponderada.

    5. Cincia, conhecimento e verdade O conhecimento religioso (teolgico): valorativo ? se sustenta em doutrinas a respeito do sagrado; inspiracional ? foram revelaes do sobrenatural que o constituiu; exato ? considerado como verdade infalvel; sistemtico ? dentre outras, organiza significados a respeito da origem do mundo e da finalidade e destino das coisas; no verificvel ? passam por uma atitude de f frente ao conhecimento revelado.

    6. Cincia, conhecimento e verdade O conhecimento filosfico: valorativo e no verificvel ? parte de hipteses que no podem ser submetidas observao, no podendo muitas vezes ser refutado ou confirmado; sistemtico ? objetiva a representao coerente da realidade; infalvel e exato ? seus postulados e suas hipteses no so submetidos experimentao; racional ? h um encadeamento lgico nos seus postulados.

    7. Cincia, conhecimento e verdade O conhecimento cientfico (cincia): factual ? lida com ocorrncias ou fatos que se manifestam de algum modo; contingente ? suas proposies so verdadeiras ou falsas com base na experincia e no apenas na razo; sistemtico ? um saber ordenado logicamente, formando um sistema de idias (teoria) e no conhecimentos dispersos e desconexos [3] (p.80); verificvel ? s considera cincia o que comprovado pelo mtodo cientfico; falvel ? no definitivo ou absoluto, representando sempre um estgio da evoluo do conhecimento; aproximadamente exato ? falvel ? a teoria existente pode ser reformulada ou aprimorada por novas tcnicas e mtodos.

    8. Mtodos: induo ? do particular se infere o geral; deduo ? do geral se busca o particular; mtodo hipottico-dedutivo ? hiptese preliminar ? comprovada ou no. Outros conceitos: subordinao terica (theory-laden) ? no existe neutralidade completa em uma investigao; navalha de Ockham ? dentre um conjunto de explicaes, a explicao mais simples de um fenmeno tem maior possibilidade de ser a mais verdadeira; construtivismo social ? as teorias cientficas influenciadas e moldadas pelo contexto scio-poltico de sua origem bem como os fatores sociais tm papel importante na aceitao de novas teoria.

    9. pr-cincia ? falta um paradigma central no campo de conhecimento; cincia normal ? existe um paradigma aceito pela comunidade cientfica ? as teorias existentes so ampliadas; cincia revolucionria ? surge a partir de novos paradigmas, da rivalidade entre pesquisadores ou rejeio de um paradigma anterior.

    10. Cincia reguladora Cincia reguladora, transcincia ou cincia ps-normal: atividades cientficas com caractersticas particulares, influenciando ativamente decises polticas; atua num contexto onde os fatos so incertos, os paradigmas tericos esto pouco desenvolvidos, os mtodos de estudos so bastante inconsistentes e muito discutidos, e onde os resultados esto submetidos a considerveis incertezas [12]; possibilita uma qualidade e objetividade maior da atuao da prpria cincia no entendimento e na soluo de problemas reais da sociedade.

    11. cincia ? produto da cultura que influencia a prpria cultura; educao ? permite transmitir de gerao para gerao conhecimentos e prticas de uma sociedade; cultura ? permite a uma sociedade, por meio do aprendizado dos seus membros, manter e aperfeioar o conhecimento dos antepassados para garantir uma adaptao social e fsica mais confortvel e fcil ao meio.

    12. Discusso

    13. Discusso

    14. Referncias Wikipedia; Science, http://en.wikipedia.org/wiki/Science Francelin, M. M.; Cincia, senso comum e revolues cientficas: ressonncias e paradoxos, Ci. Inf., Braslia, Vol.33, No. 3, set./dez. 2004, pp.26-34, ISSN 1518-8353. Marconi, M. A.; Lakatos, E. M.; Fundamentos de metodologia cientfica, Editora Atlas, 6 Edio, 2005, ISBN: 978-85-224-4015-3. Stanford Encyclopedia of Philosophy; Truth, http://plato.stanford.edu/entries/truth/ (acesso: Out. 2007). Wikipedia; Philosophy of science, http://en.wikipedia.org/wiki/Philosophy_of_science (acesso: Out. 2007). The London Philosophy Study Guide; Epistemology and Methodology, http://www.ucl.ac.uk/philosophy/LPSG/Ep&Meth.htm (acesso: Out. 2007). The Galilean Library; Epistemology, http://www.galilean-library.org/int5.html (acesso: Out. 2007). Stanford Encyclopedia of Philosophy; Karl Popper, http://plato.stanford.edu/entries/popper/ (acesso: Out. 2007). Wikipdia; Filosofia da Cincia, http://pt.wikipedia.org/wiki/Filosofia_da_ci%C3%AAncia (acesso: Out. 2007). The Galilean Library; Philosophy of Science, http://www.galilean-library.org/int6.html (acesso: Out. 2007).

    15. Referncias Barra, E.S. de O.; Modelos da mudana cientfica: subsdios para as analogias entre histria da cincia e ensino de cincias, Cad.Cat.Ens.Fs., Vol.10, No.2, Ago.1993, pp.118-127, http://www.fsc.ufsc.br/ccef/port/10-2/artpdf/a2.pdf (acesso: Out. 2007). Bazzo, W. A. (ed.); Linsingen, I. (ed.); Pereira, L. T. V. (ed.) et al.; Introduo aos Estudos CTS (Cincia, Tecnologia e Sociedade), Editora Organizao dos Estados Ibero-americanos para a Educao, a Cincia e a Cultura (OEI), 1 edio, 2003, ISBN: 84-7666-157-6. Wikipedia; Scientism, http://en.wikipedia.org/wiki/Scientism (acesso: Out. 2007). McComas, W. F.; The Principal Elements of the Nature of Science: Dispelling the Myths, http://earthweb.ess.washington.edu/roe/Knowability_590/Week2/Myths%20of%20Science.pdf (acesso: Out. 2007). Wikipedia; Rhetoric of science, http://en.wikipedia.org/wiki/Rhetoric_of_science (acesso: Out. 2007). Kuhn, T. S.; The Structure of Scientific Revolutions, The University of Chicago Press, 3rd Edition, 1996, ISBN: 0-226-45808-3. Couto L. F.; Feyerabend e a mxima do "Tudo Vale" ; A necessidade de se adotar mltiplas possibilidades de metodologia na construo de teorias cientficas, Psicol. Reflex. Crit., Vol.12, No.3, Porto Alegre, 1999, http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79721999000300004 (acesso: Out. 2007). Stanford Encyclopedia of Philosophy; Paul Feyerabend, http://plato.stanford.edu/entries/feyerabend/ (acesso: Out. 2007). Bazzo, W. A.; Cincia, Tecnologia e Sociedade e o Contexto da Educao Tecnolgica, Editora da UFSC, 1 edio, 1998, ISBN: 85-328-0144-7.

    16. Obrigados por sua ateno! Os Autores