Download
pensamento cr tico 2008 9 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Pensamento crítico 2008/9 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Pensamento crítico 2008/9

Pensamento crítico 2008/9

101 Views Download Presentation
Download Presentation

Pensamento crítico 2008/9

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Pensamento crítico2008/9 Aula 12, 2-12-08

  2. Resumo • Moral e ética • Utilidade como fundamento moral • Utilitarismo • Problemas morais na decisão • Problemas éticos • Decisão acerca de fundamentos da moral.

  3. Moral e Ética • Porquê estudar isto?

  4. Moral e Ética • Porquê estudar isto? • Nas decisões queremos comparar alternativas e escolher a melhor. • Mas melhor para quem? Para alguém em particular ou de acordo com um critério universal? Este é um problema ético

  5. Moral e Ética • Ética • “Ethos” – carácter pessoal. • “ta ethika” – inquirir sobre a natureza do bem e do mal • Moral • “Mores”- costumes e hábitos sociais.

  6. Moral e Ética • Muitos consideram Ética = Moral • Mas aqui vamos distinguir: • Moral é o conjunto de crenças e regras acerca do bem e mal, justiça e injustiça, etc. • Ética é a análise crítica do fundamento da moral.

  7. Moral e Ética • Exemplos • Roubar é errado • Afirma uma norma moral, uma norma universal que avalia uma acção. • Porque é que roubar é errado? • Uma questão ética, acerca do fundamento da moral.

  8. Moral e Ética • A ética e a moral focam • Acções • Certas ou erradas. • Consequências • Boas ou más • Carácter • Virtudes ou vícios • Motivo • Boas ou más intenções

  9. Moral e Ética • Nós vamos considerar • Acções • Certas ou erradas. • Consequências • Boas ou más • (Mais relevantes para a decisão e pensamento crítico)

  10. Moral e Ética • Acções • Errada (não permitida) • Certa (permitida) • Obrigatória • Opcional • Neutra ou supererrogatória.

  11. Moral e Ética • A moral assume uma noção partilhada de certo e errado, bom e mau. • Não roubes porque • Deus castiga • Vais preso • Prejudica os outros

  12. Moral e Ética • A moral assume uma noção partilhada de certo e errado, bom e mau. • Não roubes porque • Deus castiga • Vais preso • Prejudica os outros • Só esta é uma afirmação moral; as outras apenas apontam consequências pessoais

  13. Moral e Ética • A moral exige afirmações impessoais e universais. • É errado escravizar pessoas • Aplica-se a todas as pessoas, em todas as sociedades e em todos os tempos. • Mesmo no tempo da escravatura era errado.

  14. Moral e Ética • Falácia do relativismo • Propor algo como verdade para uma pessoa mas falsa para outros.

  15. Moral e Ética • Falácia do relativismo • Propor algo como verdade para uma pessoa mas falsa para outros. • No caso da ética o relativismo é falacioso porque contradiz o objectivo de universalidade moral • Dizer que certas práticas são eticamente permissíveis em certas culturas mas não noutras.

  16. Moral e Ética • Falácia do relativismo • É verdade que preferências e objectivos (a utilidade) pode variar entre pessoas e culturas • Mas não é eticamente aceitável que as regras pelas quais estas preferências são ponderadas variem.

  17. Moral e Ética • Falácia do naturalismo • Deve ser porque é. • A falácia de derivar um imperativo da mera descrição dos factos. • E.g. Contracepção ou reprodução medicamente assistida são imorais por serem contra a natureza • A pasta de dentes também...

  18. Moral e Ética • Falácia do naturalismo • Afirmações prescritivas ou normativas, como as da moral, não podem ser consequência de meras descrições. • “Não deves matar” não deriva de “matar causa sofrimento” a menos que se assuma “não deves causar sofrimento”.

  19. Princípios éticos • A fundação da moralidade • Utilitarismo(s) • Consequencialista

  20. Princípios éticos • Utilitarismo • Relacionado com a teoria normativa da utilidade esperada. • Maior bem para o maior número • E.g. Vacina contra doença A ou doença B? A que causar mais mortes e sofrimento. • (Em oposição a qual afecta as pessoas com mais dinheiro) • Como?

  21. Princípios éticos • Utilitarismo nos actos • (Act Utilitarianism) • Agir sempre de forma a maximizar a utilidade para todos • A utilidade aqui pode ser entendida como tudo o que permite que cada um atinja os seus objectivos. Prazer, segurança, liberdade, saúde, etc... • Problema de ser uma teoria prescritiva difícil de seguir.

  22. Princípios éticos • Utilitarismo nas regras • (Rule Utilitarianism) • Seguir regras tais que resultem, em geral, na maximização da utilidade. • É usar o utilitarismo como teoria normativa das regras, que por sua vez nos dão a teoria prescritiva. • Evita o custo do cálculo mas pode levar a problemas com as excepções.

  23. Princípios éticos • Utilitarismo na motivação • (Motive Utilitarianism) • Lidamos melhor com regras positivas que negativas. • A moral deve assim inculcar motivações que tendam a resultar em acções com mais utilidade para todos. • Lavagem cerebral?

  24. Princípios éticos • Utilitarismo a dois níveis • Utilitarismo nas regras, mas o utilitarismo nos actos quando as regras não são apropriadas. • É criticado porque parece enfraquecer o cumprimento das próprias regras, que são vistas como meras orientações gerais questionáveis (mas será isto mau?)

  25. Utilitarismo (problemas) • Comparar utilidades • É pior para a Júlia não ouvir música ou para o João não conseguir estudar? • “Tradeoff”

  26. Utilitarismo (problemas) • Comparar utilidades • É pior para a Júlia não ouvir música ou para o João não conseguir estudar? • “Tradeoff” • Claro em alguns casos. E.g. Gastar 30€ numa garrafa de vinho ou comprar uma de 15€ e usar o resto para curar alguém de lepra.

  27. Utilitarismo (problemas) • Comparar utilidades • É pior para a Júlia não ouvir música ou para o João não conseguir estudar? • “Tradeoff” • Difícil noutros. Deve o utente pagar a portagem ou ser paga pelos contribuintes todos?

  28. Utilitarismo (problemas) • Maximizar • A utilidade total? • A utilidade média?

  29. Utilitarismo (problemas) • Conclusão Repugnante (Derek Parfit) • Uma mulher grávida tem uma doença. Se se curar a criança nasce saudável mas se não se curar a criança nasce deficiente. • Uma mulher tem uma doença. Se engravidar agora a criança nasce deficiente, mas se engravidar mais tarde a criança nasce saudável.

  30. Utilitarismo (problemas) • Conclusão Repugnante (Derek Parfit) • Princípio da impersonalidade total. • Implica que a redução na qualidade de vida de uns possa ser compensada pelo aumento de pessoas vivas...

  31. Utilitarismo (problemas) • Monstro de utilidade (Robert Nozick) • Um ser que tem 100 vezes mais prazer que qualquer outro por cada unidade de recursos que usa.

  32. Outros sistemas • Contratualismo • John Rawls • Do véu de ignorância deriva-se uma noção de justiça. • Posições abertas a todos e desigualdades económicas só permitidas se em benefício de todos

  33. Outros sistemas • Deontologia • Immanuel Kant • É o acto em si que é bom ou mau, certo ou errado. As consequências e até a motivação (no sentido emocional) não importam • Imperativo categórico: • Age somente, segundo uma máxima tal, que possas querer ao mesmo tempo que se torne lei universal.

  34. Questões • Nem tudo na ética são soluções... • A maior parte são problemas.

  35. Questões • Actos e omissões • É pior matar uma criança ou deixar uma criança morrer à fome? • Ivan é alérgico ao molho da salada. O João não diz nada ou sugere que o Ivan prove o molho. É pior quando sugere?

  36. Questões • Duplo efeito • Tomás de Aquino • Nada impede que um acto tenha um efeito pretendido e outro que seja secundário. O secundário é moralmente menos relevante • O acto de se defender pode ter o efeito secundário de matar o atacante. • Será por isto que matar em defesa é legítimo? E “danos colaterais”?

  37. Questões • “Trolley problems” • Philippa Foot • Judith Jarvis Thomson

  38. Questões

  39. Questões • Utilitarismo (e a maioria): • Sim. • Mas alguns: • Mudar o rumo é participar no mal, transformando um acidente em algo intencional • Será que cinco vidas valem mais que uma?

  40. Questões

  41. Questões • Maioria: • Não porque neste caso estamos intencionalmente a matar alguém • A morte do escuteiro no outro cenário era acidental (efeito duplo) • Thompson • No outro cenário ninguém tinha mais direito de não ser atropelado, mas este homem tem o direito de não o atirarem.

  42. Questões

  43. Questões • Maioria: • Aceitam matar o homem neste caso • Mas neste caso o seu sacrifício não é acidental (efeito duplo) mas instrumental no salvamento dos outros... • (mas se não fizermos nada estaremos a usar os outros cinco para salvar um?)

  44. Questões

  45. Questões • Thompson: • Um cirurgião tem 5 pacientes que precisam de transplantes para sobreviver. • Um viajante saudável vem fazer um exame de rotina. Deve o médico matá-lo para salvar os outros?

  46. Moral da história • Desconfiem das soluções simples para problemas éticos • Pensamento crítico.

  47. Âmbito e implicações • A ética toca aspectos • Pessoais • Profissionais • Sociais

  48. Âmbito e implicações • A ética toca aspectos • Pessoais • A forma como agimos com os outros. • Os princípios de cada um (e diferenças) • Profissionais • Sociais

  49. Âmbito e implicações • A ética toca aspectos • Pessoais • Profissionais • Códigos de conduta profissional. Pode ser uma conduta individual, mas não é do foro pessoal. • Sociais

  50. Âmbito e implicações • A ética toca aspectos • Pessoais • Profissionais • Sociais • Regras que se aplicam a todos (leis, costumes) • Nem sempre coincide com a lei.