Download
meio ambiente e desenvolvimento sustent vel n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PowerPoint Presentation
Download Presentation
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

68 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

  2. A CLIMATOLOGIA E OS POLUENTES ATMOSFÉRICOS - ESTE TRABALHO DIDÁTICO TEM POR FINALIDADE, ESCLARECER UM POUCO MAIS QUAIS SÃO OS PERIGOS QUE AS ATIVIDADES ANTRÓPICAS, PODEM NOS CAUSAR DIRETA OU INDIRETAMENTE, EMBORA, A HUMANIDADE TENHA QUE SE DESENVOLVER E PROGREDIR, SABEMOS O QUANTO SOMOS FRÁGEIS, E NECESSITAMOS DE CONFORTO E BEM ESTAR ISTO É, BUSQUEMOS A SAÚDE PERFEITA ! ! ! ! PROF. HIROSHI YOSHIZANE

  3. GASESATMOSFÉRICOS NOCIVOS

  4. OS EFEITOS DOS GASES POLUENTES NA NOSSA SAÚDE

  5. MONÓXIDO DE CARBONO ( CO ) CO ESCAPE DOS VEÍCULOS MOTORIZADOS; ALGUNS PROCESSOS INDUSTRIAIS. LIMITE MÁXIMO SUPORTÁVEL 10 mg/m3 em 8 h (9 ppm); 40 mg/m3 numa 1 h (35 ppm)

  6. MONÓXIDO DE CARBONO O monóxido de carbono (CO) é um gás inodoro, incolor, insípido produzido por queima de combustíveis que contém átomos de carbono, geradas pelos motores automotivos e estacionários desregulados mecânicamente, isto é, combustão incompleta.

  7. Pelo seu alto nível de toxicidade,o CO foi um dos primeirosa ser investigado tornando-o assim muito muito bem conhecido e estudado. Essencialmente, trata-se de uma substância prejudicial na oxigenação dos tecidos sendo classificado como um gás asfixiante sistêmico.

  8. ATIVIDADE DO CO A hemoglobina que está dentro dos glóbulos vermelhos do nosso sangue (também chamados de hemácias ou eritrócitos),carrega ou transporta o oxigênio aos tecidos do nosso importante organismo.

  9. Nos capilares pulmonares, a hemoglobina recebe oxigênio (O2) do ar que está nosalvéolos pulmonares e continua pelos vasos sangüíneos para levar este elemento vital a todos os demais tecidos, que nos estruturam.

  10. O O2 se aloja em cada parte do nosso organismo conforme as necessidades metabólicas celulares, que geram o CO2, e a hemoglobina deposita o O2 e se encarrega em receber o CO2 gerado, que precisam ser descarregados ou liberados dos tecidos do nosso organismo, via artérias até os pulmões.

  11. Nos pulmões a hemoglobina deixa o CO2 capta o O2 e transporta para as células, assim nos dando a vida.A atividade acima é possível porque a combinação desses gases com a hemoglobina formam compostos instáveis, facilmente liberando O2 ou CO2. Esse é um processo essencial à vida. Se parar, as células deixam de receber oxigênio e entram em anóxia, ocorre asfixia geral.

  12. O grande perigo do CO está na estabilidade do complexo CO + HEMOGLOBINA ( carboxihemoglobina ), de modo que o mecanismo de troca fica prejudicado: A HEMOGLOBINA não consegue livrar-se do CO , não consegue permutar por O2 e conseqüentemente, oxigenar o organismo. É por isso que o CO é considerado um asfixiante sistêmico.

  13. Se 20% a 30% da hemoglobina ficarem saturados com CO, aparecem os sintomas e sinais da falta de oxigenação do organismo ( HIPÓXIA ). Acima de 60% de saturação, ocorrem perda da consciência e morte. A hipóxia é um fenômeno biológico complexo e suas manifestações clínicas são muito complicadas.

  14. Todos os nossos órgãos necessitam de O2, alguns em maiorquantidade, e outros em menor quantidade. Então, o sistema nervosocentral é o maior consumidor desse gás sendo então muito sensível à sua falta. Assim, a confusão e a convulsão cerebral, inconsciência e parada das funções cerebrais caracterizam as intoxicações graves pelo CO.

  15. O CO causa desconforto físico, náuseas, dor de cabeça, falhas na percepção visual, tontura, perda de concentração, alterações nas funções motoras e problemas cardiovasculares podendo se ligar fortemente à hemoglobina no sangue, substituindo o oxigênio e dificultando o seu transporte. Em ambiente fechado pode levar à morte.

  16. A ameaça à saúde com a exposição ao CO é mais séria em altosníveis de concentração (CO) como nas áreas de intenso tráfego de veículos o que têm sido associados a causa para o aumento do número de acidentes de trânsito, tanto pela fadiga, encefalite, ansiedade irritação e a falta de atenção. É para os Paulistanos, o efeito do congestionamento nas vias públicas.

  17. Nos casos de envenenamentos crônicos, ocorrem as perturbações mentais, distúrbios cardíacos, renais e hepáticos, de forma comum. No entanto, é muito importante saber que nas intoxicações agudas ou crônicas, se a vítima não mais respirar CO, terão grandes chances de sobrevida

  18. Assim, a grande concentração de CARBOXIHEMOGLOBINA, se se mantiver um tanto estável, a HEMOGLOBINA lentamente se livrará desse gás tóxico, e o sistema sangüíneo passará a reagir diretamente produzindo novos glóbulos vermelhos prontos para a troca vital de gases, quando, após alguns dias, restabelecerá o ciclo normal da oxigenação celular.

  19. A exposição a elevados níveis de CO também está associadocom : -Redução da capacidadevisual; -Redução da capacidade de trabalho (eficiência); -Redução da destreza manual; -Redução da capacidade de intelectual, -Dificuldade em realizar trabalhos complexos.

  20. DIÓXIDO DE CARBONO CO2 Vulcões emitem mais de 130 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera a cada ano. Gás inodoro e incolor normalmente não representa um perigo direto à vida quando em baixas concentrações mesmo que continuamente a partir do solo ou durante erupções episódicas por se tornar diluído muito rápidamente na atmosfera.

  21. O CO2 emanado na atmosfera, pode tornar-se concentradoem níveis letais para pessoase animais. O CO2 sendo mais pesado do que o ar, pode fluir como uma corrente para áreas de baixo relevo, e assim concentrando em altos níveis (ppm) asfixiando toda a vida em seu domínio ou trajetória nas baixas camadas atmosféricas.

  22. A RESPIRAÇÃO DE UM AR COM MAIS DE 30% DE CONCENTRAÇÃO DE CO2 PODE RÁPIDAMENTE CAUSAR OU INDUZIR À INCONSCIÊNCIA E PROVOCAR A MORTE.

  23. Em regiões vulcânicas ou em outras áreas onde emissões de CO2 ocorrem, é importante por questão de segurança, não adentrar sem proteção em pequenas depressões superficiais e em áreas deprimidas ( grutas) que podem armazenar esse gás.

  24. O limite entre o ar eos gases letais pode ser extremamente abrupto ( camada); Ás vezes uma única atitude de se levantar ou subir, pode ser o suficiente para escapar da asfixia ou até da morte.

  25. DIÓXIDO DE CARBONO CO2 O Dióxido de Carbono ( CO2 ) é produzido naturalmente através da respiração, pela decomposição de plantas e animais e pelas queimadas em florestas.

  26. FONTES ANTROPOGÊNICAS Queima de combustíveis fósseis, mudanças na vegetação (como o desflorestamento), queima de biomassa e a fabricação de cimento.

  27. Emissões de CO2 por atividades humanas, incluindo aqueima de combustíveis fósseis, produção de cimento e queima de gases, produzem quantidades de CO2, aproximadamente de 22 bilhões de toneladas por ano.

  28. Cálculos e estimativas científicas comprovam que os vulcões emitem uma quantidade em peso de aproximadamente 130-230 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera a cada ano. Esta estimativa inclui tanto os vulcões continentais e submarinos.

  29. As atividades humanas liberam mais de 150 vezes mais a quantidade de CO2 do que as emitidas por vulcões. Comparativamente, isso corresponde a quantidade de 17.000 vulcões com o potencial do vulcão havaiano Kilauea que emite em torno de 13,2 milhões de toneladas por ano).

  30. ESTRUTURA VULCÂNICA

  31. ESTRUTURA VULCÂNICA CRATERA CHAMINÉ CONE CÂMARA MAGMÁTICA

  32. KILAUEA

  33. KILAUEA

  34. KILAUEA O Kilauea é o mais jovem vulcão da Ilha Grande do Havaí. Sua topografia faz parecer que ele é apenas uma saliência no flanco sudeste do Mauna Loa, o maior vulcão do mundo, com mais de 4.000 metros de altitude.

  35. KILAUEA

  36. Por muitos anos, o vulcão KILAUEA era considerado como se fosse um satélite de seu vizinho gigante, MAUNA LOA, e recentemente descobriu-se evidências de que o KILAUEA tem seu próprio sistema de efusão de lava, que se estende por mais de 60 quilômetros abaixo da terra. A erupção do KILAUEA começou em 1983, e sua lava percorre um sistema de "tubulações" de 11 quilômetros entre o cone e o mar.

  37. MAUNA LOA VULCÕES HAWAIANOS

  38. MAUNA LOA

  39. MAUNA LOA

  40. MAUNA LOA

  41. E F E I T O S F Í S I C O S O ar com 5% de CO2 provoca um aumento perceptível na respiração; Com 6% a 10% resulta em brevidade da respiração, dores de cabeça, tontura, sudorese e agitação; Com 10% a 15% provoca danos na coordenação motora e abrupta contração na musculatura; Com 20% a 30% provoca perda da consciência em menos de um minuto e convulsão; Acima de 30% pode provocar a morte.

  42. N I T R O G Ê N I O

  43. ESCLARECIMENTO TÉCNICO A composição do ar normal é: 78% de Nitrogênio - ¨ N ¨ 21% de Oxigênio - ¨ O2 ¨ 1% de argônio. Existem outros elementos, que compõe a ar atmosférico porém em quantidades desprezível.

  44. ÓXIDOS DE NITROGÊNIO Dois NOx fazem parte da poluição do ar: o monóxido de nitrogênio( NO ) e o dióxido de nitrogênio (NO2). São formados, principalmente, nas câmaras de combustão de motores de veículos onde além do combustível, entra o ar que contém grandes quantidades de nitrogênio e oxigênio e, devido à altíssima temperatura combinam-se formando os NOx.

  45. Se o NO, permanecessepuro, seria então um gás inofensivo, sem representar perigos à saúde. Este se oxida muito facilmente e, para NO2 que é um gás invisível, inodoro e muito irritante. A pessoa atingida pelo NO2 sente imediatamente ardência nos olhos, no nariz e nas mucosas em geral.

  46. O NO2 reage com todas as partes do corpo expostasao ar, pele e mucosas, e provoca lesões celulares. Os epitélios ( revestimentos celulares ) que mais sofrem são aqueles das vias respiratórias, por serem mais sensíveis do que a pele ou os epitélios da boca e da faringe

  47. Portanto, ocorrem degenerações celulares e inflamações no sistema respiratório, desde as narinas (vias aéreas superiores), traquéia, laringe, faringe até as profundidades dos alvéolos pulmonares.

  48. Nos casos de intoxicaçãograve, instalam-se edema pulmonar, hemorragias alveolares e insuficiência respiratória grave, e consequentemente causando morte.

  49. Se a exposição for aguda, porém não fatal, ou houver inalação crônica em doses nocivas, teremos como conse- quência, doenças respiratórias de vários tipos, em função da intensidade e do tempo de exposição.

  50. Pela ordem crescente de gravidade aparecerão: -Traqueites e bronquitescrônicas; -Enfisema pulmonar (dilataçãodos alvéolos pulmonares); -Espessamento da barreira alvéolo- capilar ( dificuldades nas trocas gasosas que ocorrem nos pulmões: CO2 por O2 ), -Broncopneumonias químicas ou infecciosas.