Download
direito ambiental n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
DIREITO AMBIENTAL PowerPoint Presentation
Download Presentation
DIREITO AMBIENTAL

DIREITO AMBIENTAL

73 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

DIREITO AMBIENTAL

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. DIREITO AMBIENTAL PROFA. Ma CAMILA ILÁRIO

  2. CONTRA-DISCURSO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

  3. Já discutimos que a partir da chamada “Crise Ambiental” inicia um debate internacional acerca de uma “solução” para a mesma. Tal crise é representada pela “crise” do modelo tradicional de desenvolvimento, que é o modelo capitalista.

  4. Os debates sobre o problema da crise ambiental apontam na direção de um outro modelo de desenvolvimento: o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

  5. Mas, as discussões teóricas sobre o desenvolvimento sustentável indicam grandes contradições. Alguns autores sugerem a incompatibilidade entre crescimento e meio ambiente. É o contra-discurso do desenvolvimento sustentável.

  6. ARGUMENTOS:

  7. A idéia de sustentabilidade do modelo de Desenvolvimento Sustentável é tirada do campo das ciências biológicas, onde é compreendida como a busca do prolongamento da durabilidade dos ecossistemas no tempo. Sua utilização nas análises dos cientistas sociais é freqüentemente carregada dos sentidos em que é empregada na Biologia, tratando sua aplicabilidade em termos da definição biológica de espécie humana, que não permite a consideração dos aspectos contraditórios envolvidos, quando se leva em conta o mundo social. Assim sendo, o próprio marco teórico da sustentabilidade não relaciona os problemas ambientais com as relações sociais e não leva em conta as questões das desigualdades, o que compromete a efetividade da proposta de equidade feita no âmbito do modelo de Desenvolvimento Sustentável. Neste caso, a idéia de equidade tem apenas sentido como discurso (FERNANDES, 2006, p.133).

  8. O questionamento do modelo de Desenvolvimento Sustentável como alternativa efetiva àqueles historicamente praticados inclui, pelo menos, os seguintes pontos: (1) a argumentação referente à construção de um novo projeto societário a partir da atenção dada a sustentabilidade dos ecossistemas, que substituiria não apenas no discurso, mas, no mundo real, os estilos de desenvolvimento anteriormente praticados, perde sua plausibilidade, ao serem examinadas as experiências anunciadas como de produção de Desenvolvimento Sustentável, em referência aos indicadores da eficiência econômica e da equidade; (2) a fragilidade do modelo de Desenvolvimento Sustentável como uma alternativa aos modelos anteriores de desenvolvimento, demonstrada pelo fato de que o modelo de desenvolvimento dominante, diametralmente oposto à idéia de sustentabilidade dos ecossistemas, continua sendo praticado nas áreas das quais se origina a proposta de mudança (FERNANDES, 2006, p.137).

  9. Entendemos que na formulação do conceito de Desenvolvimento Sustentável, como posta no Relatório Brundtand, se opera a lógica do pragmatismo, como nos processos gerenciais quaisquer. Assim sendo, o conceito se configura como uma proposta de um conjunto de políticas capazes de proporcionar um processo de racionalização e gerenciamento dos ecossistemas, visando ao aumento de sua capacidade de rendimento em relação ao modelo industrial de produção. O próprio discurso da solidariedade intergeracional presente naquele conceito de desenvolvimento pode ser entendido como o resultado da preocupação com o tempo necessário para racionalizar/gerir os ecossistemas, de forma a contribuir com a formação de estoques de recursos naturais (estoques de capital natural). Estes recursos suprirão as demandas do sistema de produção vigente, elastecendo sua capacidade de reprodução, assegurando um adiamento da exaustão dos recursos naturais não renováveis. Ora, se, no presente, os recursos da natureza não são disponibilizados para todos, a preocupação em assegurar esses mesmos recursos para as gerações futuras não garante que as estruturas de acesso no futuro não tenderão a reproduzir as condições de acesso do presente. Como não há, naquela proposta, nenhuma indicação de socialização de riquezas, a solidariedade intergeracional significa assegurar no futuro, também, as riquezas naturais para os herdeiros dos setores e grupos sociais beneficiários no presente (FERNANDES, 2006, p.138).

  10. A solidariedade com as futuras gerações pressupõe a existência de solidariedade com as gerações atuais, o que significa rever para menos as margens de lucros apropriadas pelos detentores do capital em favor de uma distribuição de renda que possibilite o aumento na qualidade de vida das populações pobres. O desenvolvimento sustentável reivindica a construção de uma sociedade mais igualitária e a revisão dos valores éticos da sociedade capitalista (CHELALA, 2002, p. 53).

  11. REFERÊNCIAS: CHELALA, Cláudia. O Estado e o Desenvolvimento Sustentável – a experiência do Amapá. Dissertação de Mestrado. UnB, 2002. FERNANDES, Marcionila. Desenvolvimento Sustentável: antinomias de um conceito. In: FERANDES, M.; GUERRA, L. (org.) Contra-Discurso do Desenvolvimento Sustentável. 2. ed. Belém: Associação de Universidades Amazônicas. UFPA. NAEA, 2006.