Download
vigil ncia epidemiol gica das infec es hospitalares n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES PowerPoint Presentation
Download Presentation
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

786 Views Download Presentation
Download Presentation

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Equipe Técnica: - Gladys Gonsales Igliori Maria Gomes Valente Milton S. Lapchik Valquiria Oliveira Carvalho Brito Vera Regina de Paiva Costa Tel: 3350 6673 E-mail:infeccaohospitalarsms@prefeitura.sp.gov.br VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

  2. Ocorrência das infecções hospitalares e distribuição: pessoa, tempo e lugar Pessoa: idade, gênero, doença de base, exposição a fatores de risco (procedimento, tratamento, corticóide) Tempo: sazonalidade, tempo de internação, tempo de exposição Lugar: unidades de internação Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares - Considerações

  3. Obtenção de taxas – conhecimento da realidade e determinação de parâmetros aceitáveis Identificação de surtos: medidas de controle em tempo hábil Avaliação da eficácia e efetividade das medidas de prevenção Determinação de áreas e serviços de maior risco Avaliação de fatores associados à ocorrência de infecção Divulgação de informações Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares - Considerações

  4. Indiretamente: Conhecimento dos serviços Verificação “in loccu” dos problemas – solução compartilhada com o setor Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares - Considerações

  5. Interpretação das taxas Análise para atuação Divulgação das taxas para a diretoria e serviços interessados A CCIH tem outras atribuições além da vigilância - taxas Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares - Taxas

  6. Vigilância global Todo hospital Taxas gerais Gravidade dos pacientes não considerada Complexidade dos procedimentos invasivos: não considerada Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Taxas e métodos de vigilância

  7. Interpretação crítica de taxas gerais Útil em hospitais de pequeno porte Útil em hospitais de baixa complexidade Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Taxas gerais e método de vigilância global

  8. Realizada em serviços em que as infecções ocorrem com maior freqüência ou têm maior gravidade Berçários Unidades de terapia intensiva (adulto e pediátrica) Unidades de cuidados de pacientes imunodeprimidos Unidades de diálise Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Método de vigilância por setores

  9. Aborda situações de risco específicas, independentemente do serviço no qual ocorrem. Infecção de sítio cirúrgico Infecções relacionadas a procedimentos invasivos (acesso vascular central, ventilação mecânica, sondagem vesical) Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Método de vigilância por objetivos

  10. Métodos de vigilância que estamos implementando: Vigilância por objetivos (procedimentos invasivos) – planilha CVE Vigilância por setores (unidades de maior risco) – planilha CVE Vigilância global – planilha prefeitura Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Métodos de vigilância

  11. Critérios diagnósticos padronizados – CDC – comparação de dados em momentos distintos Busca ativa de casos por pistas (leituras de prontuário ou visitas, dados de laboratório, farmácia, imagem) Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Métodos de coleta de dados

  12. Taxas acompanhadas e comparadas com referenciais Comparação com limites de confiança fixos Diagrama de controle das infecções hospitalares – metodologia estatística gráfica para estudo das variações dos dados coletados Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresTaxas e diagrama de controle

  13. Dispositivo gráfico destinado ao acompanhamento no tempo, dos coeficientes de incidência Baseado na teoria de probabilidades que permite comparar a incidência observada de um determinado evento com limite máximo e mínimo de incidência esperada Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  14. Distribuição probabilística normal: valores da média, mediana e moda são iguais Distribuição probabilística de Poisson: bom modelo estatístico quando o número de ocorrências é pequeno. Exemplo: infecções de corrente sanguínea por 1000 cateteres vasculares centrais - dia Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  15. Neste momento, vamos trabalhar considerando uma distribuição normal para as infecções hospitalares: Facilidade de operação Programa disponível no Excel – cálculo de média, desvio-padrão e confecção de gráficos – para eventos que ocorrem com freqüência de distribuição normal Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  16. Construído sobre um eixo de coordenadas cartesianas Eixo das ordenadas (y) – registro das medidas de incidência Eixo das abscissas (x) – registro da variável relacionada ao tempo Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  17. Abrange dois conjuntos de informações: Gráfico de controle: representação gráfica da faixa endêmica convencionada Gráfico de acompanhamento: conjunto de pontos ou linha poligonal resultante do registro sistemático dos coeficientes de incidência, mês a mês Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  18. Princípio básico do diagrama de controle aplicado às infecções hospitalares: Coeficientes de incidência podem apresentar variações naturais em torno do coeficiente médio Valores mais distantes: raramente ao acaso Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  19. Taxas mensais Determinação do coeficiente médio de incidência Dispersão dos valores em torno da média Faixa endêmica das infecções hospitalares Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  20. Cálculo da média e do desvio-padrão – Modelo Excel Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  21. Importante Se no período de observação (ano) ocorreu um surto num determinado mês, os dados desse mês não são utilizados para o cálculo da média Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  22. COMO CONSTRUIR UM DIAGRAMA DE CONTROLE? Fixar a linha central do canal endêmico (média) Fixar a linha inferior da faixa endêmica (média menos 2 desvios padrão) Fixar a linha superior da faixa endêmica (média mais 2 desvios padrão) Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  23. COMO CONSTRUIR UM DIAGRAMA DE CONTROLE? 2 desvios-padrão acima ou abaixo da média: 95% das ocorrências – correspondente aos LIMITES DE ALERTA (maior sensibilidade) 3 desvios-padrão acima ou abaixo da média: 99,7% das ocorrências – correspondente aos LIMITES DE CONTROLE (maior especificidade) Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  24. Cálculo da média e do desvio padrão – Modelo Excel Cuidado: não incluir a linha da MEDIA para o cálculo do Desvio-padrão Para calcular o desvio – padrão: sinalizar as células Clicar fx Clicar Estatística Clicar Desvio - padrão Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  25. COMO INTERPRETAR O DIAGRAMA DE CONTROLE? Quando os coeficientes se situarem dentro da faixa esperada (FAIXA ENDÊMICA) – variações aleatórias da incidência de infecção e sem maior significado epidemiológico Ultrapassada a FAIXA ENDÊMICA – providências; importante observar a tendência ascendente Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  26. E A CURVA INFERIOR DO DIAGRAMA? Coeficientes dentro da faixa endêmica significa que : Estatisticamente estáveis Variações devidas ao acaso NÃO SIGNIFICA que não se deva implementar medidas para diminuir ainda mais a incidência de infecção hospitalar Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  27. Diagrama de controle da faixa endêmica de IH - utilidade para avaliar: coeficientes de incidência global (IH / pac-dia) coeficientes de incidência de IH por topografia específica / dispositivos invasivos - dia Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresDiagrama de controle

  28. ENDEMIA: quando a freqüência de infecção hospitalar se mantiver dentro da faixa endêmica estabelecida para o hospital SURTO DE INFECÇÃO HOSPITALAR: quando existe um aumento estatisticamente significativo de determinada infecção, acima dos valores máximos esperados ou do limite superior endêmico (p< 0,05) Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresEndemia e Surto

  29. Ocorre aumento aparente do número de casos Na realidade não houve aumento do número de casos O QUE PODE TER OCORRIDO? modificação do sistema de vigilância epidemiológica melhora do diagnóstico laboratorial alteração do perfil da população atendida contaminação dos frascos de coleta Vigilância epidemiológica das infecções hospitalaresPseudo-surto

  30. Qual a aplicação prática desses conceitos? Por definição, surtos hospitalares são previníveis Importância de reconhecimento dos surtos Importância da investigação dos surtos precocemente Importância da implementação de medidas de controle Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares

  31. Referências bibliográficas: Pereira, M.G.- Epidemiologia – teoria e prática, 6ª reimpressão, Guanabara Koogan, RJ, 2.002 APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000 ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004 Rouquayrol, MZ & Almeida Filho , N. – Epidemiologia e Saúde, RJ, 200? Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares

  32. INDICADORES INFECÇÃO HOSPITALAR PORTARIA 2616-98

  33. Art. 1º Expedir, na forma dos anexos I, II, III, IV e V, diretrizes e normas para a prevenção e o controle das infecções hospitalares. Art. 2º As ações mínimas necessárias, a serem desenvolvidas, deliberada e sistematicamente, com vistas à redução máxima possível da incidência e da gravidade das infecções dos hospitais, compõem o Programa de Controle de Infecções Hospitalares. Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998D.O.U. 13/05/98

  34. Art. 3º A Secretaria de Políticas de Saúde, do Ministério da Saúde, prestará cooperação técnica às Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, a fim de orientá-las sobre o exato cumprimento e interpretação das normas aprovadas por esta Portaria. Art. 4º As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde poderão adequar as normas conforme prevê as Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998D.O.U. 13/05/98

  35. Art. 5º A inobservância ou o descumprimento das normas aprovadas por esta Portaria sujeitará o infrator ao processo e às penalidades na Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, ou outra que a substitua, com encaminhamento dos casos ou ocorrências ao Ministério Público e órgãos de defesa do consumidor para aplicação da legislação pertinente (Lei nº 8.078/90 ou outra que a substitua). Art. 6º Este regulamento deve ser adotado em todo território nacional, pelas pessoas jurídicas e físicas, de direito público e privado envolvidas nas atividades hospitalares de assistência à saúde. Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998D.O.U. 13/05/98

  36. 1. Vigilância Epidemiológica das infecções hospitalares é a observação ativa, sistemática e contínua de sua ocorrência e de sua distribuição entre pacientes, hospitalizados ou não, e dos eventos e condições que afetam o risco de sua ocorrência, com vistas à execução oportuna das ações de prevenção e controle. 2. A CCIH deverá escolher o método de Vigilância Epidemiológica mais adequado às características do hospital, à estrutura de pessoal e à natureza do risco da assistência, com base em critérios de magnitude, gravidade, redutibilidade das taxas ou custo; ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  37. 2.1. São indicados os métodos prospectivos e transversais, visando determinar taxas de incidência ou prevalência. 3. São recomendados os métodos de busca ativos de coleta de dados para Vigilância Epidemiológica das infecções hospitalares. 4. Todas as alterações de comportamento epidemiológico deverão ser objeto de investigação epidemiológica específica. ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  38. 5. Os indicadores mais importantes a serem obtidos e analisados periodicamente no hospital e, especialmente, nos serviços de Berçário de Alto Risco, UTI (adulto/pediátrica/neonatal) Queimados, são; ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  39. 5.1. Taxa de Infecção Hospitalar, calculada tomando como numerador o número de episódios de infecção hospitalar no período considerado e como denominador o total de saídas (altas, óbitos e transferências) ou entradas no mesmo período; ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  40. 5.2. Taxa de Pacientes com Infecção Hospitalar, calculada tomando como numerador o número de doentes que apresentaram infecção hospitalar no período considerado, e como denominador o total de saídas (altas, óbitos e transferências) ou entradas no período; 5.3. Distribuição Percentual das Infecções Hospitalares por localização topográfica no paciente, calculada tendo como numerador o número de episódios de infecção hospitalar em cada topografia, no período considerado e como denominador o número total de episódios de infecção hospitalar ocorridos no período ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  41. 5.4. Taxa de Infecções Hospitalares por Procedimento, calculada tendo como numerador o número de pacientes submetidos a um procedimento de risco que desenvolveram infecção hospitalar e como denominador o total de pacientes submetidos a este tipo de procedimento.Exemplos: ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  42. 5.5. Recomenda-se que os indicadores epidemiológicos dos números 5.1. e 5.2. sejam calculados utilizando-se no denominador o total de pacientes dia, no período. 5.5.1. O número de pacientes dia é obtido somando-se os dias totais de permanência de todos os pacientes no período considerado. 5.6. Recomenda-se que o indicador do número 5.4 pode ser calculado utilizando-se como denominador o número total de procedimentos dia. 5.6.1. O número de procedimento dia é obtido somando-se o total de dias de permanência do procedimento realizado no período considerado. ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  43. 5.7. Outros procedimentos de risco poderão ser avaliados, sempre que a ocorrência respectiva o indicar, da mesma forma que é de utilidade o levantamento das taxas de infecção do sítio cirúrgico, por cirurgião e por especialidade. 5.8. Freqüência das Infecções Hospitalares por Microorganismos ou por etiologias, calculada tendo como numerador o número de episódios de infecção hospitalar por microorganismos e como denominador o número de episódios de infecções hospitalares que ocorreram no período considerado ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.

  44. 5.9. Coeficiente de Sensibilidade aos Antimicrobianos, calculado tendo como numerador o número de cepas bacterianas de um determinado microorganismos sensível a determinado antimicrobiano e como denominador o número total de cepas testadas do mesmo agento com antibiograma realizado a partir das espécimes encontradas. ANEXO IIIVIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES.