Download
as redes sociais na web n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
As redes sociais na web PowerPoint Presentation
Download Presentation
As redes sociais na web

As redes sociais na web

121 Views Download Presentation
Download Presentation

As redes sociais na web

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. As redes sociais na web Twitter Facebook Myspace Orkut Blog Site Youtube

  2. As redes sociais na web • No final de março, o Facebook, segundo notícia publicada no jornal italiano La Repubblica, 29-03-2009, atingiu mais de 200 milhões de pessoas registradas, confirmando-se como a maior comunidade on-line do mundo.

  3. As redes sociais na web • Por semana, segundo a empresa fundada pelo jovem Mark Zuckerberg, 24 anos, acolhe quase um milhão de novos membros. O Facebook, no entanto, enfrenta a concorrência de outras redes sociais como Twitter, sempre mais popular entre os jovens. Ele saltou de 600 usuários para 6 milhões em apenas 12 meses. No Brasil, o Orkut continua imbatível.

  4. Um meio de socialização on-line • Para o pesquisador Marco González, programas como Facebook e Twitter ganham destaque porque as pessoas estão sempre buscando novas formas de socialização. • “Eu não caracterizaria a ampla popularidade de sites de interação social como indicativo de uma revolução na comunicação. Eles são poderosos, mas é cedo demais para dizer se há de fato uma revolução acontecendo”.

  5. Twitter: um espaço social • Para a jornalista Gabriela Zago, o microblog tende a ser ferramenta complementar para obter informações e, mais do que isso, um espaço social em rede. Caráter de agilidade é conferido ao jornalismo e à circulação de informações. • “Mais do que uma ferramenta de microblog, o Twitter é também um site de rede social. As pessoas buscam estabelecer e manter conexões, interagir umas com as outras, e isso implica em compartilhar informações que se considera relevantes para sua rede”.

  6. “Sociedade do espetáculo:só é o que se vê” • Para a pesquisadora Paula Sibilia, a popularidade de redes sociais como Facebook, MySpace, Orkut e Twitter se justifica pelo desejo das pessoas de estarem à vista dos outros. • “Orkut e o Facebook não surgiram do nada. Ao contrário, as redes sociais apareceram num terreno que já estava muito bem sedimentado para que essas práticas pudessem florescer”.

  7. A equação público = privado é cada vez mais forte • Facebook, Twitter, Orkut. No ciberespaço, essas ferramentas quebraram o conceito tradicional de tempo e espaço, e as mudanças que promoverão no jornalismo são enormes e profundas. Muitas delas, diz Pollyana Ferrari, sequer “foram assimiladas pelos veículos de comunicação”.

  8. “O suporte da internet mudou o processo social” • Para Raquel Recuero, os sistemas informáticos geram o afastamento entre as pessoas, ao mesmo tempo em que aumentam a confiança para expor a intimidade, além de proporcionarem o anonimato. • “As pessoas escolhem grupos para entrar e colocam elementos nos perfis para dar uma determinada impressão aos demais, mostrando menos quem são e mais como querem que os outros as vejam”.

  9. Ambiente off-line separado do ambiente on-line? • Para a pesquisadora Sandra Portella Montardo, as redes sociais da internet possibilitam a inclusão social, o que garante entre os participantes um amparo assistencial que se “reverte na qualidade de vida de todos os envolvidos”.

  10. Uma nova postura na comunicação • Segundo o jornalista e professor da Umesp e USP, Wilson da Costa Bueno, “a comunicação nesses novos tempos exige novos atributos como a ética, a transparência, o profissionalismo e o compromisso com a liberdade de expressão, a pluralidade de opiniões. Ouvir mais e falar menos, este é o novo lema da comunicação moderna.

  11. Uma nova postura na comunicação • Bueno afirma que “temos que reconhecer que este novo modelo ainda é praticado por um número reduzido de organizações e será preciso não apenas mudar a cultura e a postura das organizações, mas investir fortemente na formação dos novos comunicadores, ainda presos a valores ultrapassados”.

  12. Espiritualidade na Internet • Para o professor e pesquisador da Unisinos, Pedro Gilberto Gomes, as instituições religiosas ainda vêem a Internet como um “dispositivo tecnológico”. A partir do uso da Internet surge um “novo patamar baseado numa lógica de inter-relação”. • Nesta nova ambiência, acrescenta, “as instituições podem estabelecer novos tipos de relações” ao invés de utilizar a rede apenas como um meio para divulgar sua mensagem.

  13. Espiritualidade na Internet • “Alguns sites disponibilizam as leituras dominicais, velas virtuais, enfim, há todo um arcabouço de ações litúrgicas que são veiculadas a partir dos portais. Essa é uma concepção de dispositivo tecnológico, ou seja, antigamente, determinadas atividades eram realizadas na Igreja e, hoje, também estão disponíveis na Internet”. • Com base nisso, ele lança o questionamento: “Como as Igrejas, dentro desse ambiente, desse mundo interconectado, podem trabalhar no estabelecimento de vivência, de espiritualidade, de religião?”.

  14. As redes sociais na web e na Igreja • Novas formas de socialização. • Agilidade e circulação de informações. • Espetacularizar a nossa personalidade. • Novo conceito de tempo e espaço. • Afastamento entre as pessoas. • Público = privado. • Anonimato. • Inclusão social. • Ética, transparência, profissionalismo, liberdade de expressão, pluralidade de opiniões. • Comunicação como “processo” e não como “meio”.

  15. Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais • “A Internet pode oferecer uma contribuição extremamente valiosa para a vida humana. Deve promover a prosperidade e a paz, o crescimento intelectual e estético, além da compreensão recíproca entre os povos e as nações em âmbito mundial. Ela pode ajudar também os homens e as mulheres na sua busca permanente de se compreenderem a si mesmos.

  16. Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais • Em todas as épocas, também na nossa, as pessoas formulam as mesmas interrogações fundamentais: “Quem sou eu? Donde venho e para onde vou? Por que existe o mal? O que é que existirá depois desta vida? Não cabe à Igreja impor respostas, mas pode – e deve – proclamar ao mundo as respostas que ela mesma recebeu; e, tanto hoje como sempre, oferece a derradeira resposta satisfatória aos mais profundos interrogativos da vida: Jesus Cristo (...)”. – Ética na Internet (2002)

  17. Perguntas para o debate • O mundo digital faz parte do serviço de evangelização de sua Paróquia? • Em sua comunidade seria difícil implantar a mídia digital. Explique por que? • Ao seu ver quais são as vantagens e os perigos da mídia digital?