Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
POLÍTICA PÚBLICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
POLÍTICA PÚBLICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICA PÚBLICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

284 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

POLÍTICA PÚBLICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. POLÍTICA PÚBLICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA Desenho, Cenários, Desafios e Perspectivas na ação da SENAES

  2. ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DE UMA POLÍTICA • O DESENHO DA POLÍTICA • - Público • - Instrumentos, Ferramentas • ESTRUTURA NECESSÁRIA • - Governamental • - Não Governamental • - Gestão Social • ORÇAMENTO • - que consiga fazer que a Política aconteça e seus benefícios cheguem ao público desejado • LEIS/ MARCOS REGULATÓRIOS

  3. Nossosacúmulos… DO DESENHO DA POLÍTICA

  4. DO DESENHO DA POLÍTICA PARA A SENAES • PRESSUPOSTOS: • As Conferências Nacionais como referência. • O que buscamos: o que estamos desenhando como proposta, está alinhado com o que saiu nas Conferências? • Os EES como público/sujeito da política. • O que buscamos: o que está saindo de ação a partir das nossas parcerias está chegando até os EES?

  5. PRESSUPOSTOS: • Afirmação da Economia Solidária como estratégia de Desenvolvimento Sustentável: • 03 Abordagens como caminho para Economia Solidária consolidar-se como estratégia de Desenvolvimento Sustentável: • Abordagem Territorial • Abordagem de Redes e Cadeias • Abordagem de segmentos (populacionais ou produtivos) específicos (mulheres, quilombolas, catadores...) • Chegada articulada das ações: • Ações integradas (a partir de 4 eixos fundamentais) • Ações estruturantes nacionais/regionais

  6. Para trabalhar DESENVOLVIMENTO: • Concepção alinhada ao debate sobre Desenvolvimento Sustentável • Fortalecimento de instâncias colegiadas de gestão social (com uma dinâmica que influencie várias etapas do processo) • - Planejamento • - Execução • - Coordenação • Controle, avaliação... • Plano de Vida (plano de desenvolvimento) como instrumento mobilizador.

  7. DOS GRANDES EIXOS DA AÇÃO • EIXO 1: Organização local/territorial para Desenvolvimento Sustentável Solidário • Apoio a constituição de Planos • Constituição/ fortalecimento de Colegiados • Organização em redes sócio-econômicas • EIXO 2: Acesso a Conhecimentos • Informação e Divulgação (SIES, Campanhas, Estudos) • Formação (CFES, entradas nas políticas PRONATEC, EJA...) • Incubação e Assessoramento Técnico (Redes de incubadoras, Bases de Serviço...)

  8. DOS GRANDES EIXOS DA AÇÃO • EIXO 3: Comercialização (foco no SNCJS) • Espaços de Comercialização (Feiras, lojas, Centros Públicos, Centrais...) • Assessoramento para acesso a Mercados (BSCs – Bases de Serviço de apoio a Comercialização) • Organização em redes e cadeias • EIXO 4: Finanças Solidárias (foco na criação de Sistemas Territoriais) • Bancos comunitários • Fundos Rotativos • Cooperativismo de crédito

  9. Nossosacúmulos… DA ESTRUTURA DE CAPILARIDADE DA POLÍTICA

  10. AMBIENTE GOVERNAMENTAL • FEDERAL: • SENAES (equipe DF) • Outras estruturas em Secretarias e Ministérios (articulação) • Rede Nacional de Gestores Públicos (incluindo atores estaduais e municipais) • ESTADUAL: • SRTEs (núcleos e seções de Economia Solidária) • Estruturas do governo local (secretarias e departamentos envolvidos nos projetos em parceria Senaes) • MUNICIPAL: • Estruturas do governo local (secretarias e departamentos envolvidos nos projetos em parceria Senaes) • DESAFIO: Como fazer a articulação para que a Política ganhe musculatura e institucionalidade?

  11. AMBIENTE NÃO GOVERNAMENTAL NACIONAL: FBES ESTADUAL: Fóruns e Redes estaduais MUNICIPAL: Fóruns e Redes Regionais/locais DESAFIO: Como estruturar para que funcione bem? (Regularidade, qualidade, participação, representação...)

  12. AMBIENTE DA PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL (governo e sociedade civil) • NACIONAL: • Conselho Nacional de Economia Solidária • ESTADUAL: • Conselhos Estaduais de Economia Solidária ou similares (em alguns estados. 08 deles já com leis instituídas) • MUNICIPAL: • Conselhos Municipais de Economia Solidária (alguns deles já com leis instituídas) • As Conferências surgem nesse ambiente híbrido. • DESAFIO: Como fazer isso crescer? (Regularidade, qualidade, participação, representação...)

  13. Nossosacúmulos… DO ORÇAMENTO

  14. DO ORÇAMENTO • Ampliação significativa do volume • Mais orientado para combate a pobreza extrema • Orientação de execução via pacto federativo • Forma de aplicação: projetos territoriais, projetos nacionias/regionais estruturantes. Editais previstos: • - fortalecimento institucional • - Formação • - Redes de Cooperação • - Fomento ao Comércio Justo e Solidário • - Catadores (liga nacional das ações/recursos já descentralizados).

  15. EM 2012 • LOA (sem EMENDAS): 48.402.500,00 (entre custeio e investimento) • LIBERADO: 41.800.000,00 • COMPROMETIDOS COM O BSM: 39.500.000,00 • DISPONÍVEL FORA DO BSM: 2.300.000,00 • CONTINGENCIADO: 6.602.500,00

  16. Nossosacúmulos… DAS LEIS E MARCOS REGULATÓRIOS

  17. PRIORIDADES • Lei da Economia Solidária • Lei Geral do Cooperativismo • Avanço no Decreto que institucionaliza o Sistema Nacional de Comércio Justo • Avanço no Decreto que institucionaliza Cooperativismo Social • Estratégias: • - Fortalecimento do Conselho em seu papel político de incidência • - Agenda legislativa (com relação mais forte com a Frente Parlamentar de Economia Solidária) • - Relação do Conselho Nacional com os estaduais e muncipais • - Diálogo mais forte com governos estaduais e municipais

  18. CENÁRIOS E DESAFIOS

  19. DOS CENÁRIOS E DESAFIOS • Mudanças na composição do Governo • Redução da participação da sociedade civil na execução da política • Força na execução via pacto federativo (possibilidade de acelerar institucionalização das políticas, mas desafio na gestão e controle social) • Inclusão produtiva para superação da pobreza como foco do governo • Orçamento mais expressivo, porém, carimbado para BSM e Catadores • Focos do PPA: Institucionalização da política (PL como bandeira/instrumento) e avanços nas políticas de fomento (acesso a conhecimentos, acesso a mercados, e acesso a financiamento) • Territorialidade, Redes e Cadeias no contexto URBANO

  20. Nosso horizonte para esse período!!! PPA 2012-205 Programa Desenvolvimento Regional, Territorial Sustentável e Economia Solidária

  21. OBJETIVO 0982: Fortalecer a institucionalidade da política nacional de economia solidária, a articulação federativa e a integração das políticas de promoção das iniciativas econômicas solidárias nos processos territoriais sustentáveis e solidários de desenvolvimento. • Metas 2012 - 2015: • Aprovar o novo marco legal da economia solidária e do cooperativismo de trabalho • Manter e atualizar informações de 30 mil organizações de economia solidária • Criar e implantar o Sistema Nacional de Economia Solidária e fortalecer as instâncias de participação • Promover a integração das políticas de economia solidária em 100 processos territoriais de desenvolvimento • Implementar a inserção de 9 mil empreendimentos econômicos solidários no Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário • Realização de campanhas educativas para divulgação da economia solidária e promoção do consumo responsável e solidário

  22. Iniciativas: • 046H - Aprovação do marco legal nacional da Política Pública e do Fundo Nacional de Economia Solidária • 046I - Atualização e aperfeiçoamento do marco legal do cooperativismo, das cooperativas de trabalho e do cooperativismo social • 046J - Atualização, manutenção e ampliação do Sistema de Informações em Economia Solidária – SIES • 046K - Disseminar na sociedade brasileira os princípios da economia solidária, do comércio justo e do consumo consciente • 046L - Implantação de espaços multifuncionais nos territórios com agentes de desenvolvimento solidário nos territórios para a promoção de ações integradas de apoio aos empreendimentos econômicos solidários • 046M - Implantação do Sistema Nacional de Economia Solidária incluindo o Funcionamento do Conselho Nacional e realização da 3ª Conferência Nacional de Economia solidária • 046N - Implantação e funcionamento do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário • 046O - Promoção de ações intersetoriais para o fortalecimento do cooperativismo social

  23. OBJETIVO 0983: Fomentar e fortalecer empreendimentos econômicos solidários e suas redes de cooperação em cadeias de produção, comercialização e consumo por meio do acesso ao conhecimento, crédito e finanças solidárias e da organização do comércio justo e solidário. • Metas 2012 - 2015: • Criar e fortalecer 200 redes de produção e comercialização • Incluir 200 comunidades nas finanças solidárias • Certificar os produtos e serviços de 5 mil empreendimentos econômicos solidários no Sistema de comércio Justo e Solidário • Promover a formação e capacitação social e profissional de 10.000 trabalhadores para a economia solidária • Promover a incubação, assessoria técnica e o fomento direto a 1,5 mil empreendimentos econômicos solidários

  24. Iniciativas: • 046P - Certificação de produtos e serviços com garantia de origem social e ambiental • 046Q - Desenvolvimento e disseminação de tecnologias sociais apropriadas à economia solidária • 046R - Formação de trabalhadores, agentes, formadores, multiplicadores e gestores públicos da economia solidária • 046S - Implantação e consolidação de Bancos Comunitários de Desenvolvimento, Fundos Rotativos Solidários e apoio ao Cooperativismo de Crédito Solidário • 046T - Incubação, fomento, assessoramento técnico e apoio a empreendimentos econômicos solidários e suas redes e cadeia de produção, comercialização e consumo • 046U - Promoção da adequação das políticas de crédito às exigências e características dos empreendimentos econômicos solidários • 046V - Promoção do acesso às compras governamentais para produtos e serviços da economia solidária • 046W - Promoção e fortalecimento de feiras, espaços fixos e bases de serviço para comercialização de produtos e serviços da economia solidária