1 / 24

SERVI OS DE SA DE M SEGURAN A E SA DE DOS TRABALHADORES

PORTARIA MTE 3214/78 - 33 Normas Regulamentadoras. NR 01 Disposi??es GeraisNR 02 Inspe??o Pr?viaNR 03 Embargo ou Interdi??oNR 04 SESMTNR 05 CIPANR 06 EPINR 07 PCMSONR 08 Edifica??esNR 09 PPRANR 10 Instala??es/Servi?os em EletricidadeNR 11 Transporte, Movimenta??o, Armazenagem e Manuseio de

gudrun
Télécharger la présentation

SERVI OS DE SA DE M SEGURAN A E SA DE DOS TRABALHADORES

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. Content is provided to you AS IS for your information and personal use only. Download presentation by click this link. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server. During download, if you can't get a presentation, the file might be deleted by the publisher.

E N D

Presentation Transcript


    1. SERVIOS DE SADE M SEGURANA E SADE DOS TRABALHADORES NOELI MARTINS MDICA DO TRABALHO

    2. PORTARIA MTE 3214/78 - 33 Normas Regulamentadoras

    3. NR 01 - DISPOSIES GERAIS 1.7. Cabe ao empregador: b) elaborar ordens de servio sobre segurana e medicina do trabalho... c) informar aos trabalhadores: I - os riscos profissionais que possam originar-se nos locais de trabalho; II - os meios para prevenir e limitar tais riscos e as medidas adotadas pela empresa; III - os resultados dos exames mdicos e de exames complementares de diagnstico aos quais os prprios trabalhadores forem submetidos; IV - os resultados das avaliaes ambientais realizadas nos locais de trabalho.

    5. NR 05 CIPA ? SERVIOS DE SADE

    7. NR 07 PCMSO Parte de um conjunto de iniciativas Considerar questes individuais e coletivas Preveno, rastreamento e diagnstico precoce dos agravos sade relacionados ao trabalho Planejado e implantado com base nos riscos

    8. Admissional Peridico Mudana de funo Retorno ao trabalho Demissional ? PRONTURIOS NR 07 PCMSO ? EXAMES OCUPACIONAIS

    9. Nome completo, n identidade, funo; Riscos ocupacionais existentes ou a ausncia; Procedimentos mdicos com data; Nome do mdico coordenador com CRM; Apto ou Inapto; Nome do mdico encarregado do exame com endereo; Data, assinatura do mdico encarregado, carimbo com CRM NR 07 PCMSO ? ASO

    10. Parte de um conjunto de iniciativas Responsabilidade do empregador Abrangncia e profundidade depende da caracterstica da empresa (riscos) Participao dos trabalhadores NR 09 - PPRA

    11. NR 09 - PPRA ? ESTRUTURA Reconhecimento do risco Identificao Fonte geradora Trajetrias e meios de propagao Identificao das funes e do n de trabalhadores Caracterizao da atividade e tipo de exposio Possveis danos a sade (dados da empresa e literatura) Medidas de controle existente Estabelecimento de prioridades e metas de avaliao e controle Avaliao dos riscos e da exposio dos trabalhadores Implantao de medidas de controle e avaliao de eficcia Monitoramento da exposio aos riscos Registro e divulgao dos dados

    12. NR 10 SEGURANA EM INSTALAES E SERVIOS EM ELETRICIDADE 10.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR estabelece os requisitos e condies mnimas objetivando a implementao de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurana e a sade dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalaes eltricas e servios com eletricidade. 10.1.2 Esta NR se aplica s fases de gerao, transmisso, distribuio e consumo, incluindo as etapas de projeto, construo, montagem, operao, manuteno das instalaes eltricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, observando-se as normas tcnicas oficiais estabelecidas pelos rgos competentes e, na ausncia ou omisso destas, as normas internacionais cabveis. 10.2.1 Em todas as intervenes em instalaes eltricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco eltrico e de outros riscos adicionais, mediante tcnicas de anlise de risco, de forma a garantir a segurana e a sade no trabalho. 10.2.2 As medidas de controle adotadas devem integrar-se s demais iniciativas da empresa, no mbito da preservao da segurana, da sade e do meio ambiente do trabalho

    13. NR 13 CALDEIRAS E VASOS SOB PRESSO 13.1.4 Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um dos seguintes itens: a) vlvula de segurana com presso de abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA; b) instrumento que indique a presso do vapor acumulado; c) injetor ou outro meio de alimentao de gua, independente do sistema principal, em caldeiras combustvel slido; d) sistema de drenagem rpida de gua, em caldeiras de recuperao de lcalis; e) sistema de indicao para controle do nvel de gua ou outro sistema que evite o superaquecimento por alimentao deficiente.

    14. NR 13 CALDEIRAS E VASOS SOB PRESSO 13.1.6 Toda caldeira deve possuir, no estabelecimento onde estive instalada, a seguinte documentao, devidamente atualizada: a) "Pronturio da Caldeira; b) "Registro de Segurana", em conformidade com o subitem 13.1.7; c) "Projeto de Instalao", em conformidade com o item 13.2; d) "Projetos de Alterao ou Reparo", em conformidade com os subitens 13.4.2 e 13.4.3; e) "Relatrios de Inspeo", em conformidade com os subitens 13.5.11, 13.5.12 e 13.5.13.

    15. NR 13 CALDEIRAS E VASOS SOB PRESSO 13.2.2 As caldeiras de qualquer estabelecimento devem ser instaladas em "Casa de Caldeiras" ou em local especfico para tal fim, denominado "rea de Caldeiras". 13.3.4 Toda caldeira a vapor deve estar obrigatoriamente sob operao e controle de operador de caldeira, sendo que o no - atendimento a esta exigncia caracteriza condio de risco grave e iminente. 13.5.1 As caldeiras devem ser submetidas a inspees de segurana inicial, peridica e extraordinria, sendo considerado condio de risco grave e iminente o no atendimento aos prazos estabelecidos nesta NR.

    16. NR 17 ERGONOMIA ? Servio de Sade 17.3.2 Bancadas, mesas, escrivaninhas e os painis devem proporcionar ao trabalhador condies de boa postura, visualizao e operao e devem atender aos seguintes requisitos mnimos: a) ter altura e caractersticas da superfcie de trabalho compatveis com o tipo de atividade, com a distncia requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento; b) ter rea de trabalho de fcil alcance e visualizao pelo trabalhador; c) ter caractersticas dimensionais que possibilitem posicionamento e movimentao adequados dos segmentos corporais.

    17. 17.3.3. Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender aos seguintes requisitos mnimos de conforto: a) altura ajustvel estatura do trabalhador e natureza da funo exercida; b) caractersticas de pouca ou nenhuma conformao na base do assento; c) borda frontal arredondada; d) encosto com forma levemente adaptada ao corpo para proteo da regio lombar. 17.3.5. Atividades realizadas de p, devem ser colocados assentos para descanso em locais em que possam ser utilizados por todos os trabalhadores durante as pausas. NR 17 ERGONOMIA ? Servio de Sade

    18. NR 23 - PROTEO CONTRA INCENDIOS 23.1.1 Todas as empresas devero possuir: a) proteo contra incndio; b) sadas suficientes para a rpida retirada do pessoal em servio, em caso de incndio; c) equipamento suficiente para combater o fogo em seu incio; d) pessoas adestradas no uso correto desses equipamentos. 23.8.1 Os exerccios de combate ao fogo devero ser feitos periodicamente, objetivando: a) que o pessoal grave o significado do sinal de alarme; b) que a evacuao do local se faa em boa ordem; c) que seja evitado qualquer pnico; d) que sejam atribudas tarefas e responsabilidades especficas aos empregados; e) que seja verificado se a sirene de alarme foi ouvida em todas as reas.

    19. NR 24 - CONDIES SANITRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Instalaes Sanitrias Vestirios Refeitrios Cozinhas Alojamento Condies de higiene e conforto por ocasio das refeies Disposies Gerais

    20. NR 24 - INSTALAES SANITRIAS 1 / 20 trabalhadores Separados por sexo Higienizados Lavatrios e chuveiros ? 1 / 10

    21. NR 24 - VESTIRIO 24.2.1. Em todos os estabelecimentos industriais e naqueles em que a atividade exija troca de roupas ou seja imposto o uso de uniforme ou guarda-p, haver local apropriado para vestirio dotado de armrios individuais, observada a separao de sexos. 24.2.10. Os armrios, de ao, madeira, ou outro material de limpeza, devero ser essencialmente individuais.

    22. NR 24 - REFEITRIO 24.3.1. Nos estabelecimentos em que trabalhem mais de 300 operrios, obrigatria a existncia de refeitrio, no sendo permitido aos trabalhadores tomarem suas refeies em outro local do estabelecimento. a) rea de 1,00m2 por usurio, abrigando, de cada vez, 1/3 do total de empregados por turno de trabalho, sendo este turno o que tem maior nmero de empregados; b) a circulao principal dever ter a largura mnima de 0,75m, e a circulao entre bancos e banco/parede dever ter a largura mnima de 0,55m.

    23. NR 24 - COZINHAS 24.4.2. As reas previstas para cozinha e depsito de gneros alimentcios devero ser de 35 % e 20 % respectivamente, da rea do refeitrio. 24.4.7.1. As aberturas, alm de garantir suficiente aerao, devem ser protegidas com telas, podendo ser melhorada a ventilao atravs de exaustores ou coifas. 24.4.13. indispensvel que os funcionrios da cozinha - encarregados de manipular gneros, refeies e utenslios disponham de sanitrio e vestirio prprios, cujo uso seja vedado aos comensais e que no se comunique com a cozinha.

    24. NR 24 - CONDIES DE HIGIENE E CONFORTO POR OCASIO DAS REFEIES 24.6.1.1. A empresa contratante deve estender aos trabalhadores da contratada as mesmas condies de higiene e conforto oferecidas aos seus prprios empregados. 24.6.3. Na hiptese de o trabalhador trazer a prpria alimentao, a empresa deve garantir condies de conservao e higiene adequadas e os meios para o aquecimento em local prximo ao destinado s refeies. 24.6.3.2. Recipientes/marmitas utilizados pelos trabalhadores devero ser fornecidos pelas empresas, devendo atender s exigncias de higiene e conservao e serem adequados aos equipamentos de aquecimento disponveis. 24.6.6. As empresas que concederem o benefcio da alimentao aos seus empregados podero inscrever-se no Programa de Alimentao do Trabalhador - PAT.

More Related