Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CEAP : CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PowerPoint Presentation
Download Presentation
CEAP : CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CEAP : CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

303 Vues Download Presentation
Télécharger la présentation

CEAP : CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. CEAP:CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:METODOLOGIA DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE

  2. Abordagens Pedagógicas no ensino da Educação Física

  3. ABORDAGEM DESENVOLVIMENTISTA • ABORDAGEM CONSTRUTIVISTA-INTERACIONISTA • ABORDAGEM DE ENSINO ABERTO • ABORDAGEM SISTÊMICA • ABORDAGEM CRÍTICO-EMANCIPATORIA • ABORDAGEM PLURAL • ABORDAGEM CRÍTICO-SUPERADORA • ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE • ABORDAGEM CULTURAL • ABORDAGEM DOS JOGOS COOPERATIVOS • ABORDAGEM DA SAÚDE RENOVADA • ABORDAGEM DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

  4. ABORDAGEM DESENVOLVIMENTISTA

  5. O modelo desenvolvimentista é explicitado, no Brasil, principalmente nos trabalhos deTani(1987),Tani et alii (1988) e Manoel (1994). A obra mais representativa desta abordagem é Educação Física Escolar: Fundamentos de uma Abordagem Desenvolvimentista (Tani et alii, 1988). Vários autores são citados no trabalho exposto, mas dois parecem ser fundamentais: D. Gallahue e J. Connoly Éuma abordagem dentre várias possíveis, é dirigida especificamente para crianças de quatro a quatorze anos e busca nos processos de aprendizagem e desenvolvimento uma fundamentação para a Educação Física escolar. Os autores desta abordagem defendem a idéiade que o movimento é o principal meio e fim da Educação Física, propugnando a especificidade do seu objeto. Sua função não é desenvolver capacidades que auxiliem a alfabetização e o pensamento lógico-matemático, embora tal possa ocorrer como um subproduto da prática motora.

  6. Os conteúdos devem obedecer a uma seqüênciafundamentada no modelo de taxionomia do desenvolvimento motor, proposta por Gallahue (1982) e ampliada por Manoel (1994), na seguinte ordem: • fase dos movimentos fetais, • fase dos movimentos espontâneos e reflexos, • fase de movimentos rudimentares, • fase dos movimentos fundamentais, • fase de combinação de movimentos fundamentais • movimentos culturalmente determinados. • Ordem de habilidades, • habilidades básicas • As habilidades básicas podem ser classificadas em • habilidades locomotoras (por exemplo: andar, correr, saltar, saltitar) • habilidades manipulativas (por exemplo: arremessar, chutar, rebater, receber) • Habilidades de estabilização (por exemplo: girar, flexionar, realizar posições invertidas). • habilidades específicas. • Os movimentos específicos são mais influenciados pela cultura e estão relacionados à prática dos esportes, do jogo, da dança e, também, das atividades industriais

  7. Aula prática • Circuitos tema saltos • Fundamento manchete ou recepção do veleibol

  8. ABORDAGEM CONSTRUTIVISTA-INTERACIONISTA

  9. É apresentada principalmente nas propostas de Educação Física da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas (CENP), que tem como colaborador o Professor João Batista Freire. Seu livro Educação de Corpo Inteiro, publicado em 1989, teve o papel determinante na divulgação das idéiasconstrutivistas da Educação Física. "No construtivismo, a intenção é construção do conhecimento a partir da interação do sujeito com o mundo, numa relação que extrapola o simples exercício de ensinar e aprender. .. Conhecer é sempre uma ação que implica esquemas de assimilação e acomodação num processo de constante reorganização"

  10. Aula prática • Resgate das Brincadeiras tradicionais

  11. ABORDAGEM DE ENSINO ABERTO

  12. O ensino aberto tornou-se conhecido no Brasil por influência do professor alemão Hildebrandt. Esta proposta é tratada na obra “Concepções abertas no ensino da Educação Física” de Hildebrandt e Laging, publicada em 1986. O ensino aberto visa possibilitar ao aluno co-participar das decisões sobre objetivos, conteúdos e métodos de ensino das aulas e, portanto, do planejamento do ensino, visando recolocar a subjetividade do aluno no centro da reflexão didática. Numa concepção de ensino aberto, os alunos devem participar das decisões, a relação professor-aluno estabelece-se dentro de uma ação co-participativa que se amplia de acordo com o amadurecimento e a responsabilidade assumida pelos integrantes do grupo.

  13. ABORDAGEM SISTÊMICA

  14. A abordagem sistêmica tem em Mauro Betti seu maior expoente. Na obra “Educação Física e sociedade”, publicada em 1991 • Na abordagem sistêmica, existem dois princípios fundamentais: • O princípio da não-exclusão que, segundo Daolio (2007) prega que os conteúdos e métodos da Educação Física devem incluir a totalidade dos alunos • Oprincípio da diversidade que defende que os conteúdos de Educação Física devem oferecer variedade de atividades, com o intuito de permitir ao aluno escolher criticamente, de forma valorativa, seus motivos-fins em relação às atividades da cultura corporal de movimento. A Educação Física, nessa abordagem, é entendida como um sistema hierárquico aberto, pois recebe influências da sociedade ao mesmo tempo em que a influencia. Procura na definição de vivência corporal o movimento de introduzir o aluno nos conteúdos oferecidos na escola, oportunizando a experiência da cultura de movimentos.

  15. ABORDAGEM CRÍTICO-EMANCIPATORIA

  16. A abordagem crítico-emancipatória tem como principal idealizador ElenorKunz, com as obras “Educação Física: ensino & mudanças”, publicada em 1991 e “Transformação didático-pedagógica do esporte”, publicada em 1994. segundo Kunzé pelo questionamento crítico que se chega a compreender a estrutura autoritária dos processos institucionalizados da sociedade que formam as convicções, interesses e desejos. Para tanto, busca articular uma prática do esporte condicionada a sua transformação didático-pedagógica, de tal modo que a educação contribua para a reflexão crítica e emancipatória das crianças e jovens Para Kunz, o movimento deve ser interpretado como um diálogo entre o ser humano e o mundo, uma vez que é pelo seu “se-movimentar” que ele percebe, interage com os outros, atua na sociedade.

  17. Aula prática • experiências cotidianas: saltos ex: atletismo • Registros dos lugares • Experimentação • Criar novas formas no âmbito escolar.

  18. ABORDAGEM PLURAL

  19. A abordagem plural é tratada na obra “Da cultura do corpo”, publicada em 1995, que tem em JocimarDaolioseu maior representante. A abordagem plural discute a Educação Física escolar numa perspectiva cultural, na qual considera a Educação Física como parte da cultura humana. Ela se constitui numa área de conhecimento que estuda e atua sobre um conjunto de práticas ligadas ao corpo e ao movimento criadas pelo homem ao longo de sua história.

  20. Os elementos da cultura corporal serão tratados como conhecimentos a serem sistematizados e reconstruídos pelos alunos (DAOLIO, 1996).

  21. ABORDAGEM CRITICO-SUPERADORA

  22. A abordagem crítico-superadoraé retratada na obra “Metodologia do ensino de Educação Física”, publicada em 1992, por um grupo de pesquisadores tradicionalmente denominados por coletivo de autores composto por Carmem Lúcia Soares, Celi NelzaZülkeTaffarel, Elizabeth Varjal, Lino Castellani Filho, Micheli Ortega Escobar e Valter Bracht. • na abordagem crítico-superadoraa reflexão pedagógica deve ser: • Diagnóstica, porque remete a constatação e leitura dos dados da realidade; • Judicativa, porque explicita valores a partir de uma ética voltada para os interesses de uma classe social; • Teleológica, porque aponta para uma direção clara de transformação da realidade.

  23. Quando os autores apresentam os objetivos gerais da Educação Física na Educação Básica, colocam que o ensino da Educação Física na perspectiva da cultura corporal tem como objetivo geral possibilitar aos alunos a vivência sistematizada dos conhecimentos da cultura corporal, balizado por uma postura crítica, no sentido da aquisição da autonomia.

  24. Aula prática • TEMÁTICA:?

  25. ABORDAGEM PSICOMOTRICIDADE

  26. O autor que mais influenciou o pensamento psicomotricistano país foi, sem dúvida, o francês Jean Le Bouch, com o livro Educação pelo Movimento de no ano de 1966 e no Brasil em 1981 • a psicomotricidade advoga por uma ação educativa que deva ocorrer a partir dos movimentos espontâneos da criança e das atitudes corporais, favorecendo a gênese da imagem do corpo, núcleo central da personalidade (Le Bouch, 1986) • A educação psicomotora na opinião do autor refere-se à formação de base indispensável a toda criança, seja ela normal ou com problemas, e responde a uma dupla finalidade: • assegurar o desenvolvimento funcional tendo em conta a possibilidade da criança ajudar sua afetividade a expandir-se; • e a equilibrar-se através do intercâmbio com o ambiente humano

  27. O discurso e prática da Educação Física sob a influência da psicomotricidade conduz à necessidade do professor de Educação Física sentir-se um professor com responsabilidades escolares e pedagógicas. Busca desatrelar sua atuação na escola dos pressupostos da instituição desportiva, valorizando o processo de aprendizagem e não mais a execução de um gesto técnico isolado.

  28. Aula prática • reconhecimento do corpo

  29. ABORDAGEM CULTURAL

  30. A abordagem cultural foi sugerida por Daólio (1993), em crítica à perspectiva biológica que ainda domina a Educação Física na escola "Se o professor percebe que os corpos diferem entre si, a explicação se dá em Junção da natureza do corpo: existem corpos naturalmente melhores, mais fortes, mais capazes, e existem corpos naturalmente piores, mais fracos e menos capazes" • O autor sugere que o ponto de partida da Educação Física é o repertório corporal que cada aluno possui quando chega á escola, uma vez que toda técnica corporal é uma técnica cultural, e não existe técnica melhor ou mais correta. • De acordo com o autor, o princípio da alteridade, emprestado da antropologia, pode ser um instrumento útil para pensar a prática da Educação Física na escola, pois considera a humanidade plural e procura entender os homens a partir de suas diferenças, de tal modo que os hábitos e as práticas de determinados grupos não sejam vistos como certos ou errados, melhores ou piores. Assim, a diferença não deve ser pensada como inferioridade, pois "o que caracteriza a espécie humana é justamente sua capacidade de se expressar diferentemente"

  31. ABORDAGEM DOS JOGOS COOPERATIVOS

  32. Esta nova perspectiva para a Educação Física na escola está pautada sobre a valorização da cooperação em detrimento da competição. Brotto (1995), principal divulgador destas idéias no país, baseado nos estudos antropológicos de Margaret Mead, afirma que é a estrutura social que determina se os membros de determinadas sociedades irão competir ou cooperar entre si. PONTO DE PARTIDA DESTA ABORDAGEM É O JOGO

  33. ABORDAGEM DA SAÚDE RENOVADA

  34. Guedes & Guedes (1996), assim como Nahas(1997), ressaltam a importância das informações e conceitos relacionados a aptidão física e saúde. A adoção destas estratégias de ensino contemplam não apenas os aspectos práticos, mas também a abordagem de conceitos e princípios teóricos que proporcionem subsídios aos escolares, no sentido de tomarem decisões quanto à adoção de hábitos saudáveis de atividade física ao longo de toda a vida. Esta proposta de saúde renovada porque ela incorpora princípios e cuidados já consagrados em outras abordagens com enfoque mais sócio-cultural. Nahas(1997), por exemplo, sugere que o objetivo da Educação Física na escola de ensino médio é ensinar os conceitos básicos da relação entre atividade física, aptidão física e saúde.

  35. ABORDAGEM DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

  36. Os PCNs são compostos pelos seguintes documentos: documento introdutório, temas transversais (Saúde, Meio Ambiente, Ética, Pluralidade Cultural, Orientação Sexual e trabalho e Consumo) e documentos que abordam o tratamento a ser oferecido em cada um dos diferentes componentes curriculares. De acordo com os PCNs, eleger a cidadania como eixo norteador significa entender que a Educação Física na escola é responsável pela formação de alunos que sejam capazes de: participar de atividades corporais, adotando atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade; conhecer, valorizar, respeitar e desfrutar da pluralidade de manifestações da cultura corporal; reconhecer-se como elemento integrante do ambiente, adotando hábitos saudáveis e relacionando-os com os efeitos sobre a própria saúde e de melhoria da saúde coletiva; conhecer a diversidade de padrões de saúde, beleza e desempenho que existem nos diferentes grupos sociais, compreendendo sua inserção dentro da cultura em que são produzidos, analisando criticamente os padrões divulgados pela mídia; reivindicar, organizar e interferir no espaço de forma autônoma, bem como reivindicar locais adequados para promover atividades corporais de lazer (Brasil, 1998).

  37. RESUMÃO NÃO DA PRA ESQUECER ENFIM....

  38. Obrigadoo!! Obrigadoo!! Obrigadoo!! Obrigadoo!!